sicnot

Perfil

Mundo

Polícia espanhola detém 7 pessoas com suposta ligação à imigração ilegal

A Polícia Nacional prendeu hoje em Melilla sete pessoas, entre 20 e 35 anos, pela sua alegada participação em atividades relacionadas com o favorecimento da imigração ilegal.

(Reuters/Arquivo)

Estas atividades estavam vinculadas tanto à entrada de subsaarianos em veículos em Melilla, como a viagens à península marroquina utilizando documentação de outra pessoa.

Segundo informou hoje a polícia, as investigações iniciaram-se a partir da localização de um veículo abandonado, aberto e com as chaves na ignição e do qual foram resgatados três jovens malianos de 27, 23 e 20 anos que, teriam acabado de chegar a Melilla procedentes de Marrocos.

As investigações permitiram identificar a condutora, uma mulher de nacionalidade espanhola, de 35 anos, que foi detida pela sua alegada participação neste caso, considerado um crime de favorecimento de imigração ilegal.

A partir deste momento, a unidade contra as redes de imigração ilegal e falsificação (UCRIF) pode relacionar este caso com as detenções no porto de dois jovens marroquinos, de 20 e 23 anos, como alegados autores de delitos de falsificação de documentos, ao tentar embarcar com um documento de identidade que havia sido dado como extraviado.

O titular deste documento, um cidadão espanhol de 32 anos, tem em seu nome um total de 24 veículos, facto que chamou a atenção dos investigadores, que continuam a investigar se algum destes automóveis foi utilizado em outras operações de imigração ilegal.

Este homem, além disso, já reportou a perda do seu documento de identificação em sete ocasiões.



Lusa
  • Mais de 30 ilegais intercetados pelas autoridades ao tentarem entrar em Melilla, Espanha

    Mundo

    Perto de 35 africanos foram intercetados pela polícia quando passaram, esta quinta-feira, a fronteira que separa Marrocos da cidade espanhola de Melilla. À volta de cem pessoas tentaram subir a cerca que separa o território africano do enclave espanhol. As 35 pessoas que conseguiram fazer a travessia foram imediatamente levadas para o centro de acolhimento de imigrantes. Quinze pessoas terão ficado sentadas no muro por mais de cinco horas. Este novo assalto veio na sequência daquela que foi a maior entrada de ilegais no enclave espanhol este ano, a 10 de fevereiro. Em 2014, registaram-se 65 assaltos em Melilla. Nesse ano, mais de 16 mil pessoas tentaram entrar em território espanhol.

  • Imigrantes fintam autoridades e entram em Melilla
    1:16

    Mundo

    Cerca de 600 imigrantes tentaram passar a cerca que separa Marrocos de Melilla, mas só 35 escaparam às autoridades. Apesar da tentativa de invasão em massa ter falhado, as autoridades dizem que esta foi a maior entrada de ilegais em Melilla este ano. O incidente aconteceu numa zona conhecida como bairro chinês, onde há várias casas próximas da cerca que servem de esconderijo aos ilegais.

  • Novo dia de protestos contra expropriações na ilha do Farol
    2:30

    País

    A sociedade Polis Ria Formosa concluiu a tomada de posse das construções identificadas como ilegais na ilha do Farol, na Ria Formosa, em Faro. No segundo dia da operação, sob fortes protestos da população, os técnicos da Polis, escoltados pela Polícia Marítima, expropriaram hoje mais 18 construções.

  • Cunhado do Rei de Espanha em liberdade sem caução

    Mundo

    Inaki Urdangarin vai mesmo aguardar o desenrolar do recurso em liberdade na Suíça, onde o marido da Infanta Cristina tem residência oficial e onde terá de se apresentar às autoridades uma vez por mês, para além de estar obrigado a comunicar qualquer deslocação fora da Europa. De fora fica ainda o pagamento da caução de 200 mil euros pedida pelo Ministério Público espanhol.

  • Zeca Afonso morreu há 30 anos
    1:11
  • Compensa comprar a granel?
    8:39
  • "Isto é uma mentira e tem carimbo de Estado"
    2:12

    Opinião

    O preço das botijas de gás em Portugal duplicou nos últimos 15 anos. José Gomes Ferreira esteve no Jornal da Noite, da SIC, onde explicou este aumento, lembrando que a classe política prometeu que se houvesse mais empresas a operar no mercado, os preços desciam. Contudo, José Gomes Ferreira diz que "isto é uma mentira e tem carimbo de Estado". O Diretor-Adjunto de Informação SIC explicou que como o mercado é livre, os operadores vendem aos preços mais altos que podem, deste modo os preços não variam muito entre uns e outros.

    José Gomes Ferreira