sicnot

Perfil

Mundo

Fotos mostram presos brasileiros a fazer churrasco e a beber cerveja em cadeia da Baía

Reclusos brasileiros da Penitenciária Lemos Brito, em Salvador da Baía, foram registados a fazer um churrasco e a beber cerveja, em fotos encontradas em telemóveis apreendidos em 2014 e divulgadas hoje pelo jornal Folha de São Paulo.  

© Paulo Whitaker / Reuters

Nas imagens, os reclusos posam, ao lado da carne e também de aparelhos de ginástica, dentro da penitenciária, considerada uma das cinco piores do Brasil. 

De acordo com o diário brasileiro, há prostituição de mulheres, que entram naquele estabelecimento como se fossem mulheres de presos. Na penitenciária, entrarão também refrigerantes e alimentos como frango e feijão, que são vendidos por alguns reclusos. 

A unidade prisional, que tem capacidade para 771 reclusos, está superlotada e abriga 1.315 homens. O Ministério Público Estadual instaurou uma investigação sobre as condições da penitenciária, ainda segundo a Folha de São Paulo. 

O Governo da Baía, responsável pela cadeia, informou que o Estado está "em situação bem melhor do que os demais Estados", e que há "um pouco de exagero" nas denúncias, citado pelo jornal.

Ainda de acordo com o Executivo Estadual, no passado já houve casos de divulgação de fotos "falsificadas ou antigas". 


Com Lusa
  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.