sicnot

Perfil

Mundo

Primeiro-ministro israelita contesta acordo nuclear com Irão no Congresso dos EUA

O primeiro-ministro israelita contestou hoje em Washington o "muito mau acordo" que o Presidente norte-americano, Barack Obama, pretende concluir até finais de março sobre o programa nuclear iraniano, denunciando que Teerão representa uma "ameaça para o mundo inteiro".

© Gary Cameron / Reuters

Num discurso diante das duas câmaras do Congresso norte-americano (Câmara dos Representantes e Senado), Benjamin Netanyahu, um acérrimo opositor das negociações sobre o controverso programa nuclear iraniano, alertou igualmente para o risco de uma "corrida ao armento nuclear no Médio Oriente".

Ao mesmo tempo do discurso de Netanyahu no Capitólio (sede do Congresso), os chefes da diplomacia norte-americana e iraniana, John Kerry e Mohammad Javad Zarif, respetivamente, negociavam na Suíça um possível regulamento definitivo para a supervisão do programa nuclear do regime de Teerão.

"O regime iraniano representa uma grande ameaça para Israel, mas também para a paz no mundo inteiro", afirmou Netanyahu, que foi ovacionado de pé, por diversas vezes, pelos legisladores presentes.

A intervenção de Netanyahu foi, no entanto, marcada pela ausência de mais de 50 congressistas democratas que decidiram, numa situação sem precedentes, boicotar o discurso do governante israelita.

O chefe do Governo israelita está em Washington desde domingo para contestar e denunciar o acordo que o grupo 5+1 (Estados Unidos, Rússia, China, França, Reino Unido e Alemanha) e o Irão pretendem concluir até 31 de março.

"Meus amigos, durante mais de um ano disseram-nos que nenhum acordo era preferível a um mau acordo. Este é um mau acordo, o mundo estará melhor sem ele", declarou Netanyahu.

"Um acordo com o Irão não vai impedir a produção de bombas atómicas. Na verdade, [o Irão] poderá adquirir e produzir mais", argumentou o líder israelita.

O governante israelita afirmou ainda que "as concessões" do acordo em negociação permitem que o programa nuclear iraniano fique em grande parte intacto.

"Um acordo que pretende impedir uma proliferação terá um resultado contrário, uma corrida ao armamento nuclear na região mais perigosa do mundo", reforçou Netanyahu.

O líder israelita espera que o Congresso norte-americano, atualmente controlado pelos republicanos, vote a favor de novas sanções contra o regime de Teerão.

A aplicação de novas sanções é rejeitada pela Casa Branca, que receia que a medida possa abalar as negociações internacionais.

O discurso do líder israelita no Capitólio foi encarado como um desafio a Barak Obama, que não foi informado com antecedência da deslocação de Netanyahu ao Congresso.

O líder israelita foi convidado pelo presidente da Câmara dos Representantes (câmara baixa do Congresso), o republicano John Boehner, o que terá irritado a Casa Branca. 

Em meados de janeiro, a Casa Branca anunciou que Obama não iria reunir-se com Netanyahu, justificando a decisão com a proximidade das eleições em Israel, agendadas para 17 de março.

No início do discurso, Netanyahu agradeceu a Obama pelo seu apoio a Israel.

"Algumas das coisas que o Presidente tem feito por Israel nunca serão conhecidas por serem questões sensíveis e estratégicas", mas "conheço-as e serei sempre grato ao Presidente Obama pelo apoio", afirmou.

É a terceira vez que Netanyahu se dirige ao Congresso norte-americano, uma honra rara para um líder estrangeiro.







Lusa
  • Tudo o que precisa saber sobre a moção de censura ao Governo

    País

    O Governo minoritário do PS enfrenta na terça-feira a sua primeira moção de censura, a 29.ª em 43 anos de democracia, mas PCP, BE e PEV já anunciaram que vai "chumbar" a iniciativa do CDS-PP. Esta é a sétima moção de censura apresentada pelo CDS-PP e a 29.ª a ser discutida na Assembleia da República. Os três partidos de esquerda que têm apoiado o executivo, PCP, BE e PEV, já anunciaram que votam contra. Com os votos do PS, a moção é chumbada.

  • Encontrado corpo de menina posta de castigo na rua pelo pai

    Mundo

    Sherin Mathews estava desaparecida desde o dia 7 de outubro. Este domingo a polícia do estado norte-americano do Texas encontrou o corpo de uma criança que acreditam ser a menina de três anos, desaparecida depois de o pai a colocar de castigo na rua, durante a madrugada.

    SIC

  • A cadela que desistiu da CIA para ir "perseguir esquilos e coelhos"

    Mundo

    Nem todos os cães têm aptidão para combater o crime. Este é o caso de Lulu, uma cadela que estava a treinar para ser agente da CIA, mas que acabou por entrar na reforma ainda durante os treinos. Através do Twitter, a agência norte-americana anunciou na semana passada que Lulu já não iria treinar mais e que tinha sido adotada pelo agente que a treinava.

    SIC

  • A história por detrás da fotografia que correu (e impressionou) o Mundo

    Mundo

    Depois dos incêndios da semana passada na Galiza, começou a circular na internet e nas redes sociais a imagem de uma cadela que alegadamente levava a sua cria carbonizada na boca. Contudo, a cadela é na verdade macho e chama-se Jacki. Esta é a história do cão que passou os dias após os fogos a recolher animais mortos para os enterrar num campo perto de uma igreja, em Coruxo, Vigo.

    SIC