sicnot

Perfil

Mundo

Papa adverte que abandonar idosos é "pecado mortal"

O Papa advertiu hoje que abandonar os idosos é um "pecado mortal" e sem "honrar os idosos" não há "futuro para os jovens". 

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Alessandro Bianchi / Reuters

Francisco falava na audiência geral das quartas-feiras, perante milhares de fiéis concentrados na praça de São Pedro.

"Os idosos deviam ser para toda a sociedade uma reserva de sabedoria", sublinhou. 

"Os idosos são abandonados, não só em condições materiais precárias, mas também enfrentam numerosas dificuldades que devem ultrapassar para sobreviver numa sociedade que não quer a sua participação", declarou. 

O papa referiu que, graças ao progresso da medicina, "a vida humana aumentou, mas o coração não cresceu" perante a realidade dos idosos. 

Francisco denunciou a sociedade atual, referindo-se mais uma vez à "cultura do descartável", que "abandona os idosos" e onde muitos deles "vivem com angústia esta situação de abandono". 

"Os idosos são homens e mulheres, pais e mães, que estiveram antes de nós no nosso caminho, na nossa mesma casa, na nossa batalha quotidiana por uma vida boa. Homens e mulheres de quem recebemos muito", sublinhou. 

"O idoso não é um ser estranho, o idoso somos nós. Dentro de muito ou pouco (tempo), é inevitável. Se não aprendermos a tratar bem os idosos, assim seremos tratados", acrescentou. 

O papa frisou que uma sociedade "sem proximidade é uma sociedade perversa" e a Igreja, "fiel à palavra de Deus", não pode tolerar essa sociedade. 


Lusa
  • Passos Coelho pede desculpa aos portugueses
    3:35
  • Pyongyang compara Trump a Hitler

    Mundo

    A Coreia do Norte compara o Presidente norte-americano Donald Trump a Adolf Hitler. Pyongyang já acostumou o mundo à sua linguagem "colorida" quando critica os seus inimigos. Mas comparações com o responsável por mais de 60 milhões de mortes são muito raras.

  • Glifosato na lista de produtos cancerígenos na Califórnia

    Mundo

    O estado norte-americano da Califórnia, nos Estados unidos, pode vir a obrigar o fabricante do popular herbicida Roundup a comercializar o produto com um rótulo que informe os consumidores de que o produto é cancerígeno. O glifosato, princípio ativo do herbicida Roundup fabricado pela Monsanto, consta de uma lista que vai ser divulgada na Califórnia, a 7 de julho, de produtos químicos potencialmente cancerígenos.