sicnot

Perfil

Mundo

EUA "não cedem a ameaças após agressão a embaixador em Seul"

O chefe da diplomacia norte-americana, John Kerry, afirmou hoje que Washington nunca irá ceder a ameaças, após o ataque com uma arma branca contra o embaixador dos Estados Unidos em Seul, Coreia do Sul.

Chefe da diplomacia norte-americana, John Kerry

Chefe da diplomacia norte-americana, John Kerry

© POOL New / Reuters

"Os Estados Unidos nunca serão intimidados ou dissuadidos pela ameaça ou por alguém que faça mal a qualquer diplomata americano", afirmou o secretário de Estado norte-americano, em declarações aos jornalistas em Riade, Arábia Saudita.

"Vamos permanecer determinados como sempre em procurar o que acreditamos ser do interesse do nosso país e com respeito aos direitos e valores universais", reforçou.

Um militante nacionalista opositor da aliança militar entre a Coreia do Sul e os Estados Unidos atacou esta quinta-feira o embaixador norte-americano em Seul, Mark Lippert, com uma arma branca.

O ataque ocorreu durante um pequeno-almoço num centro de artes representativas no centro de Seul.

O diplomata de 42 anos foi entretanto operado com sucesso a dois cortes profundos que sofreu na cara e na mão direita.

Em reação ao ataque, a Coreia do Norte declarou que a agressão ao embaixador tinha sido um "castigo justo para os belicistas dos Estados Unidos", que iniciaram na segunda-feira exercícios militares conjuntos com a Coreia do Sul.

Ainda em Riade, o chefe da diplomacia norte-americana abordou outros temas da atualidade internacional, nomeadamente as negociações sobre o programa nuclear iraniano e a guerra civil na Síria.

Segundo John Kerry, Washington vai acompanhar de perto os atos "desestabilizadores" do Irão, ao mesmo tempo que os dois países tentam alcançar um acordo sobre o programa nuclear de Teerão.

"Mesmo quando estamos envolvidos nestas conversações com o Irão sobre o programa [nuclear], não iremos tirar os olhos das ações desestabilizadoras do Irão em lugares como a Síria, Líbia, Iraque e na Península Arábica, no Iémen em particular", referiu.

Kerry, que chegou à Arábia Saudita após três dias de negociações com o ministro dos Negócios Estrangeiros iraniano Mohammad Javad Zarif, indicou que veio a Riade atualizar os seus homólogos do Golfo sobre as conversações.

A Arábia Saudita e outras cinco nações sunitas do Golfo continuam cautelosas sobre estas conversações entre o Irão, dominantemente xiita, e Washington.

"Nada será diferente no dia seguinte ao acordo, se alcançarmos um acordo, em relação às outras questões que nos desafiam nesta região, com a exceção que vamos tomar medidas para garantir que o Irão não terá uma arma nuclear", frisou.

Em relação à Síria, John Kerry admitiu que poderá ser necessário exercer uma "pressão militar" para promover uma transição política e derrubar o regime do Presidente sírio, Bachar Al-Assad.

Assad "perdeu qualquer aparente legitimidade, mas não temos maior prioridade do que perturbar e derrubar o Daesh (acrónimo árabe para Estado Islâmico, grupo que controla vastas áreas na Síria e no Iraque) e outras redes terroristas", sublinhou. 

"Em última análise, uma combinação de diplomacia e pressão será necessária para alcançar uma transição política. Uma pressão militar especial poderá ser necessária, dada a relutância do Presidente Assad em negociar seriamente", concluiu Kerry.



Lusa

  • O que o mundo diz sobre o busto de Cristiano Ronaldo

    Desporto

    O Aeroporto Cristiano Ronaldo foi inaugurado esta quarta-feira. A notícia foi dada pelos meios de comunicação de todo o mundo, que não deixaram passar o busto do jogador português, apresentado pelo próprio. A estátua foi amplamente comentada e analisada, com palavras como "terrível", "duvidoso" e "bizarro".

    Ana Rute Carvalho

  • Mulher detida ao tentar atropelar polícias junto ao Capitólio, em Washington

    Mundo

    Agentes da polícia abriram fogo contra uma mulher (e não um homem, ao contrário do que inicialmente se disse) que conduzia um carro perto do Capitólio e tentava atropelá-los, segundo o Departamento da Polícia Metropolitana de Washington. A mulher foi detida mas a polícia garante que não se tratou de um ato terrorista.

  • A rã que brilha no escuro
    2:08
  • Indonésio encontrado dentro de cobra pitão

    Mundo

    Akbar Salubiro, de 25 anos, esteve perto de 24 horas desaparecido na remota ilha indonésia de Sulawesi. Acabou por ser encontrado um dia depois, no jardim da própria casa, dentro de uma pitão de 7 metros.