sicnot

Perfil

Mundo

EUA "não cedem a ameaças após agressão a embaixador em Seul"

O chefe da diplomacia norte-americana, John Kerry, afirmou hoje que Washington nunca irá ceder a ameaças, após o ataque com uma arma branca contra o embaixador dos Estados Unidos em Seul, Coreia do Sul.

Chefe da diplomacia norte-americana, John Kerry

Chefe da diplomacia norte-americana, John Kerry

© POOL New / Reuters

"Os Estados Unidos nunca serão intimidados ou dissuadidos pela ameaça ou por alguém que faça mal a qualquer diplomata americano", afirmou o secretário de Estado norte-americano, em declarações aos jornalistas em Riade, Arábia Saudita.

"Vamos permanecer determinados como sempre em procurar o que acreditamos ser do interesse do nosso país e com respeito aos direitos e valores universais", reforçou.

Um militante nacionalista opositor da aliança militar entre a Coreia do Sul e os Estados Unidos atacou esta quinta-feira o embaixador norte-americano em Seul, Mark Lippert, com uma arma branca.

O ataque ocorreu durante um pequeno-almoço num centro de artes representativas no centro de Seul.

O diplomata de 42 anos foi entretanto operado com sucesso a dois cortes profundos que sofreu na cara e na mão direita.

Em reação ao ataque, a Coreia do Norte declarou que a agressão ao embaixador tinha sido um "castigo justo para os belicistas dos Estados Unidos", que iniciaram na segunda-feira exercícios militares conjuntos com a Coreia do Sul.

Ainda em Riade, o chefe da diplomacia norte-americana abordou outros temas da atualidade internacional, nomeadamente as negociações sobre o programa nuclear iraniano e a guerra civil na Síria.

Segundo John Kerry, Washington vai acompanhar de perto os atos "desestabilizadores" do Irão, ao mesmo tempo que os dois países tentam alcançar um acordo sobre o programa nuclear de Teerão.

"Mesmo quando estamos envolvidos nestas conversações com o Irão sobre o programa [nuclear], não iremos tirar os olhos das ações desestabilizadoras do Irão em lugares como a Síria, Líbia, Iraque e na Península Arábica, no Iémen em particular", referiu.

Kerry, que chegou à Arábia Saudita após três dias de negociações com o ministro dos Negócios Estrangeiros iraniano Mohammad Javad Zarif, indicou que veio a Riade atualizar os seus homólogos do Golfo sobre as conversações.

A Arábia Saudita e outras cinco nações sunitas do Golfo continuam cautelosas sobre estas conversações entre o Irão, dominantemente xiita, e Washington.

"Nada será diferente no dia seguinte ao acordo, se alcançarmos um acordo, em relação às outras questões que nos desafiam nesta região, com a exceção que vamos tomar medidas para garantir que o Irão não terá uma arma nuclear", frisou.

Em relação à Síria, John Kerry admitiu que poderá ser necessário exercer uma "pressão militar" para promover uma transição política e derrubar o regime do Presidente sírio, Bachar Al-Assad.

Assad "perdeu qualquer aparente legitimidade, mas não temos maior prioridade do que perturbar e derrubar o Daesh (acrónimo árabe para Estado Islâmico, grupo que controla vastas áreas na Síria e no Iraque) e outras redes terroristas", sublinhou. 

"Em última análise, uma combinação de diplomacia e pressão será necessária para alcançar uma transição política. Uma pressão militar especial poderá ser necessária, dada a relutância do Presidente Assad em negociar seriamente", concluiu Kerry.



Lusa

  • A fábrica de caças na base aérea de Monte Real
    3:35
  • Comprar ou arrendar casa?
    8:25
  • Fui contactado por um espectador do “Contas-Poupança” (quartas-feiras, Jornal da Noite, SIC) e leitor do blogue www.contaspoupanca.pt, que foi surpreendido com uma carta do banco a aumentar o spread porque um dos serviços que tinha subscrito tinha sido extinguido. Neste caso específico, a domiciliação de ordenado. Ora, o cliente ficou estupefacto porque não mudou de empresa, não foi despedido nem tinha havido nenhuma alteração no recebimento do ordenado naquela conta.

    Pedro Andersson

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Temer acusado de prejudicar Polícia Federal
    2:36
  • Violência volta às favelas do Rio de Janeiro
    3:21

    Mundo

    As favelas do Rio de Janeiro voltaram aos níveis de violência dos anos 90. A cidade de Deus foi uma das favelas pacificadas que voltou a registar tiroteios diariamente, os moradores falam de situações de trauma e do medo das crianças.

  • Trump interrompe telefonema para elogiar jornalista

    Mundo

    A jornalista irlandesa Caitriona Perry viu-se esta terça-feira envolvida num momento que a própria classificou de "bizarro": um encontro inesperado com Donald Trump, que interrompeu um telefonema com o primeiro-ministro irlandês para... a elogiar.

    SIC

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.

  • De onde vem o dinheiro de Isabel II?

    Mundo

    A rainha Isabel II vai ser aumentada - pelo exercício das suas funções -, em 2018, para 82,2 milhões de libras (93,5 milhões de euros). Este valor é pago pelo Estado britânico. Contudo, esta não é a única fonte de rendimento da rainha de Inglaterra. Isabel II também recebe pelas terras, casas e empresas que tem espalhadas pelo Reino Unido.

  • Cão corre os EUA a entregar águas aos árbitros em jogos de basebol
    0:20