sicnot

Perfil

Mundo

Avião Solar aterrou em Omã e completou primeira etapa da sua digressão mundial

O avião Solar Impulse 2 (SI2) aterrou hoje sem incidentes no sultanato de Omã, completando a primeira etapa de uma tentativa de dar a volta ao mundo sem utilizar combustível.  

© Ahmed Jadallah / Reuters

O avião experimental, com quatro motores a hélice movidos a energia elétrica produzida por painéis solares instalados nas asas, partiu às 07:12 (03:12 em Lisboa) de Abu Dhabi, capital dos Emirados Árabes Unidos, e chegou às 20:14 (16:14 em Lisboa) a Muscate, capital de Omã.  

O suíço André Borschberg esteve aos comandos da aeronave nesta primeira etapa, um voo de cerca de 13 horas para uma distância de cerca 400 quilómetros, cabendo ao seu compatriota Bertrand Piccard pilotar o avião na segunda etapa, prevista para terça-feira entre Muscate e Ahmedabad, na Índia.  

O SI é alimentado por mais de 17.000 células solares que revestem as suas asas de 72 metros, mais compridas que as de um Boeing 747 e quase tão compridas como as do gigante Airbus A380 mas, por ser concebido em fibra de carbono, pesa apenas 2,5 toneladas, menos de 1% do peso de um A380. 

A volta ao mundo do avião experimental, com 12 etapas programadas - incluindo uma etapa de cinco dias e cinco noites consecutivas de voo para atravessar o oceano Pacífico, da China até ao Hawai - é o culminar de 12 anos de investigação realizada por André Borschberg e Bertrand Piccard que, além da exploração científica, procuram transmitir uma mensagem política.  

"Queremos partilhar a nossa visão de um futuro mais limpo", disse Piccard antes da partida do avião, sublinhando que esta missão visa contribuir para a luta contra o aquecimento global através da promoção de "novas tecnologias verdes".


Lusa
  • Bataglia deixou passar 12 milhões pela sua conta a pedido de Salgado
    2:05

    Operação Marquês

    O presidente da Escom e arguido na Operação Marquês Helder Bataglia terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, amigo de José Sócrates. O amigo de Sócrates e Bataglia terão combinado várias formas de não levantar suspeitas. A notícia é avançada pelo jornal Expresso na edição deste sábado.

  • Cágado tratado com implante impresso em 3D
    2:26
  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.