sicnot

Perfil

Mundo

É "falsidade" atribuir a Timor-Leste relevo na adesão da Guiné Equatorial, diz Ramos-Horta

O ex-Presidente da República timorense José Ramos-Horta considera uma "falsidade" atribuir a Timor-Leste um papel de relevo no lóbi para a adesão da Guiné Equatorial à Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

© Lirio Da Fonseca / Reuters

Escrevendo na rede social Facebook no dia em que foi tornado público um texto do Presidente português, Cavaco Silva, que justificou a entrada da Guiné Equatorial (GE) com os "danos" diplomáticos que provocaria a Timor-Leste -- que acolheu a cimeira onde a adesão foi ratificada -, Ramos-Horta recorda que Angola e o Brasil sempre lideraram o lóbi favorável a Malabo na CPLP.


"O lóbi forte pela admissão da GE [Guiné Equatorial] na CPLP foi sempre desencadeado por Angola e Brasil, apoiado por todos os outros Países Africanos da CPLP, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e São Tome e Príncipe", escreve Ramos-Horta. 


"A reunião ministerial da CPLP que precedeu a Cimeira de Dili já tinha acordado, consensualmente, na adesão da GE. Perante a postura firme de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e Angola, Portugal anuiu. Timor-Leste simplesmente secundou esta posição", escreve ainda.


No prefácio do "Roteiros IX", publicação que reúne as suas principais intervenções do último ano, o Presidente da República portuguesa justifica a aceitação, por parte de Portugal, da entrada da Guiné Equatorial com o facto de não colocar em causa a coesão da CPLP e de não prejudicar Timor-Leste. 


"Tendo existido um grande empenho das autoridades timorenses na adesão da Guiné Equatorial, um veto português significaria o fracasso da cimeira, com elevados danos reputacionais para Timor- Leste", frisa, recordando que a cimeira era também vista como um teste à capacidade de Timor-Leste para satisfazer as exigências da participação na ASEAN, a que era candidato.


"Sendo a adesão fortemente apoiada pelos países africanos de língua oficial portuguesa, pertencentes ao mesmo espaço regional que a Guiné Equatorial, a que se juntava o Brasil e Timor-Leste, um veto de Portugal poderia, no limite, pôr em causa a própria sobrevivência da CPLP", sublinha.


Lembrando a "forte hostilidade" que o assunto suscitava em Portugal, com muitos a reclamarem que Portugal vetasse a adesão, Cavaco Silva refere que "Portugal apresentou-se em Díli, como se impõe em política externa, com uma posição concertada entre o Presidente da República e o Governo".

Cavaco Silva considera que se Portugal se isolasse face à vontade conjugada de todos os outros Estados-membros, "numa comunidade em que o multilateralismo deve prevalecer sobre o unilateralismo, Portugal veria ainda a sua posição dificultada pelo facto de ser o antigo poder colonial europeu".

Ramos Horta critica as tentativas de "atribuir a Timor-Leste a responsabilidade pela admissão da Guiné Equatorial na CPLP", o que considera ser um "falsidade que tem sido propagada nos media portugueses desde a Cimeira de Dili de Julho de 2014". 


"De lembrar que na Cimeira de Luanda de 2010 registou-se um forte embaraço diplomático quando o Presidente da GE, estando presente e confiante que o seu país iria ser admitido, foi humilhado pelo veto de Portugal", escreve Ramos-Horta.


"Poderia Portugal continuar a opor-se a admissão da GE e isolar-se perante os outros sete Países membros da CPLP?" - questiona.


A Lusa pediu um comentário sobre o texto de Cavaco Silva ao ministro dos Negócios Estrangeiros timorense, Hernâni Coelho mas, até ao momento, ainda não foi possível obtê-lo.

Lusa

  • Guiné Equatorial já é membro da CPLP
    2:32

    Mundo

    A Guiné Equatorial já faz parte da Comunidade de Países da Língua Oficial Portuguesa. Portugal aprovou a entrada do novo parceiro que, a partir de hoje, se junta a todos os presentes países da CPLP. Cavaco Silva já disse que o país cumpriu as regras que lhe foram exigidas e que o isolamento da ditadura de Obiang seria pior para os direitos humanos. A admissão da Guiné Equatorial ficou marcada por um incidente diplomático, uma vez que o país tomou posse como membro efectivo da CPLP antes de ser aprovada a adesão.

  • "É mais um notável tiro no pé de Passos Coelho"
    4:04

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite, a polémica em torno de Pedro Passos Coelho, depois do presidente do PSD ter pedido desculpas por ter "usado informação não confirmada", ao falar na existência de suicídios, depois desmentidos, como consequência da falta de apoio psicológico na tragédia de Pedrógão Grande. Sousa Tavares considera que Passos Coelho deu "mais um tiro no pé" e defende que o líder da oposição "está notoriamente desgastado" e "caminha para uma tragédia eleitoral autárquica".

    Miguel Sousa Tavares

  • Este texto é sobre o bom senso. O bom senso que faltou a Passos Coelho quando, esta manhã, depois de uma visita pelas áreas ardidas de Pedrógão Grande, decidiu falar em suicídios. Passos não se referiu a tentativas, mas sim a atos consumados. Deu certezas. Disse que tinha conhecimento de “pessoas que puseram termo à vida” porque “que não receberam o apoio psicológico que deviam.”

    Bernardo Ferrão

  • Simplex+2017 promete simplificar burocracia
    1:08

    País

    Já está online o novo Simplex+2017, que vai simplificar a vida dos cidadãos, empresas e administração pública. Pagar impostos com cartão de crédito e ter o cartão de cidadão ou a carta de condução no telemóvel são alguns exemplos do que está previsto.

  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.