sicnot

Perfil

Mundo

É "falsidade" atribuir a Timor-Leste relevo na adesão da Guiné Equatorial, diz Ramos-Horta

O ex-Presidente da República timorense José Ramos-Horta considera uma "falsidade" atribuir a Timor-Leste um papel de relevo no lóbi para a adesão da Guiné Equatorial à Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

© Lirio Da Fonseca / Reuters

Escrevendo na rede social Facebook no dia em que foi tornado público um texto do Presidente português, Cavaco Silva, que justificou a entrada da Guiné Equatorial (GE) com os "danos" diplomáticos que provocaria a Timor-Leste -- que acolheu a cimeira onde a adesão foi ratificada -, Ramos-Horta recorda que Angola e o Brasil sempre lideraram o lóbi favorável a Malabo na CPLP.


"O lóbi forte pela admissão da GE [Guiné Equatorial] na CPLP foi sempre desencadeado por Angola e Brasil, apoiado por todos os outros Países Africanos da CPLP, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e São Tome e Príncipe", escreve Ramos-Horta. 


"A reunião ministerial da CPLP que precedeu a Cimeira de Dili já tinha acordado, consensualmente, na adesão da GE. Perante a postura firme de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e Angola, Portugal anuiu. Timor-Leste simplesmente secundou esta posição", escreve ainda.


No prefácio do "Roteiros IX", publicação que reúne as suas principais intervenções do último ano, o Presidente da República portuguesa justifica a aceitação, por parte de Portugal, da entrada da Guiné Equatorial com o facto de não colocar em causa a coesão da CPLP e de não prejudicar Timor-Leste. 


"Tendo existido um grande empenho das autoridades timorenses na adesão da Guiné Equatorial, um veto português significaria o fracasso da cimeira, com elevados danos reputacionais para Timor- Leste", frisa, recordando que a cimeira era também vista como um teste à capacidade de Timor-Leste para satisfazer as exigências da participação na ASEAN, a que era candidato.


"Sendo a adesão fortemente apoiada pelos países africanos de língua oficial portuguesa, pertencentes ao mesmo espaço regional que a Guiné Equatorial, a que se juntava o Brasil e Timor-Leste, um veto de Portugal poderia, no limite, pôr em causa a própria sobrevivência da CPLP", sublinha.


Lembrando a "forte hostilidade" que o assunto suscitava em Portugal, com muitos a reclamarem que Portugal vetasse a adesão, Cavaco Silva refere que "Portugal apresentou-se em Díli, como se impõe em política externa, com uma posição concertada entre o Presidente da República e o Governo".

Cavaco Silva considera que se Portugal se isolasse face à vontade conjugada de todos os outros Estados-membros, "numa comunidade em que o multilateralismo deve prevalecer sobre o unilateralismo, Portugal veria ainda a sua posição dificultada pelo facto de ser o antigo poder colonial europeu".

Ramos Horta critica as tentativas de "atribuir a Timor-Leste a responsabilidade pela admissão da Guiné Equatorial na CPLP", o que considera ser um "falsidade que tem sido propagada nos media portugueses desde a Cimeira de Dili de Julho de 2014". 


"De lembrar que na Cimeira de Luanda de 2010 registou-se um forte embaraço diplomático quando o Presidente da GE, estando presente e confiante que o seu país iria ser admitido, foi humilhado pelo veto de Portugal", escreve Ramos-Horta.


"Poderia Portugal continuar a opor-se a admissão da GE e isolar-se perante os outros sete Países membros da CPLP?" - questiona.


A Lusa pediu um comentário sobre o texto de Cavaco Silva ao ministro dos Negócios Estrangeiros timorense, Hernâni Coelho mas, até ao momento, ainda não foi possível obtê-lo.

Lusa

  • Guiné Equatorial já é membro da CPLP
    2:32

    Mundo

    A Guiné Equatorial já faz parte da Comunidade de Países da Língua Oficial Portuguesa. Portugal aprovou a entrada do novo parceiro que, a partir de hoje, se junta a todos os presentes países da CPLP. Cavaco Silva já disse que o país cumpriu as regras que lhe foram exigidas e que o isolamento da ditadura de Obiang seria pior para os direitos humanos. A admissão da Guiné Equatorial ficou marcada por um incidente diplomático, uma vez que o país tomou posse como membro efectivo da CPLP antes de ser aprovada a adesão.

  • Pablo Bravo: o chileno suspeito de um assalto milionário em Gaia
    6:01

    País

    As autoridades receiam um aumento da violência nos assaltos de redes sul-americanas em Portugal, à semelhança do que tem acontecido noutros países europeus. Pablo Bravo é um chileno com um longo cadastro criminal que, em Portugal, é suspeito de um assalto milionário a um hipermercado, em Gaia e, dias depois, foi detido em flagrante, em Paris, a tentar roubar uma loja de relógios de luxo.

    Notícia SIC

  • Obras para as novas instalações da SIC já começaram
    1:54

    País

    As obras do novo estúdio da SIC e SIC Notícias vão começar. A ampliação do edifício do grupo Impresa vai unir os funcionários do grupo num único espaço, com uma área de 750 metros. O Presidente da Câmara de Oeiras entregou esta terça-feira a licença de obra.

  • Já há destinos esgotados para o Carnaval e Páscoa
    3:08

    Economia

    A procura de viagens na altura do Carnaval e Páscoa tem vindo a aumentar e vários destinos já estão esgotados já que muitas pessoas optam por tirar dias de férias nesta altura do ano. Em contagem decrescente, as agências de viagens não têm tido mãos a medir com promoções e ofertas para destinos variados e adequados a várias bolsas.

  • As crianças que estão a morrer à fome em África

    Mundo

    A UNICEF alertou esta terça-feira que a má nutrição aguda que afeta a Nigéria, Somália, Sudão do Sul e Iémen coloca este ano em "iminente" risco de morte 1,4 milhões de crianças devido à fome que existe naqueles países. São milhares de casos de um incessante desespero numa luta diária pela sobrevivência.

  • Cães desfilam no Rio de Janeiro
    1:00

    Mundo

    O tradicional cortejo de Carnaval brasileiro só acontece daqui a uns dias, mas no Rio de Janeiro já há inúmeros desfiles pelas ruas. Na praia de Copacabana, os animais mascararam-se de humanos.