sicnot

Perfil

Mundo

EUA dizem que existe "um reino de terror" na Crimeia e no leste da Ucrânia

Os Estados Unidos indicaram hoje existir um "reino de terror" na Crimeia e no leste da Ucrânia, que será imposto por rebeldes separatistas pró-russos e por Moscovo.

Estados Unidos dizem que Rebeldes e Moscovo impõem "reino de terror" na Crimeia e no leste da Ucrânia.

Estados Unidos dizem que Rebeldes e Moscovo impõem "reino de terror" na Crimeia e no leste da Ucrânia.

© Stringer . / Reuters

"Embora a Ucrânia seja uma nação pacífica, democrática e independente em 93% do seu território, a Crimeia e o leste da Ucrânia estão sob o controlo de um reino de terror", disse a secretária de Estado adjunta para a Europa, Victoria Nuland, na Comissão dos Negócios Estrangeiros do Senado.

Nuland criticou "a ocupação ilegal e as violações dos direitos humanos" na Crimeia, anexada por Moscovo em março de 2014, assim como "a violência e os saques terríveis" que serão perpetrados pela "Rússia e pelas suas marionetas separatistas" no leste ucraniano.

"Este conflito fabricado, controlado pelo Kremlin, alimentado por tanques e armas pesadas russas, financiado pelos contribuintes russos, matou mais de 6.000 ucranianos, mas também centenas de jovens russos enviados para lá pelo Kremlin para lutarem e morrerem, numa guerra que o seu governo nega", disse ainda a responsável.

Na semana passada, diante da Comissão dos Negócios Estrangeiros da Câmara dos Representantes, Nuland afirmou que "milhares e milhares" de soldados russos foram enviados para o leste da Ucrânia para ajudarem os rebeldes pró-russos.

Moscovo sempre desmentiu qualquer envolvimento militar no seu vizinho ucraniano.


Lusa
  • Família perde tudo na aldeia de Queirã
    2:32
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão