sicnot

Perfil

Mundo

Portugal e Argélia defendem partilha de informação como arma para combater o terrorismo

Portugal e Argélia defendem partilha de informação como arma para combater o terrorismo

Passos Coelho defendeu hoje, no final da IV Cimeira Portugal-Argélia, que deve haver uma maior cooperação entre os serviços de informação de Portugal e da Argélia no combate ao terrorismo. O primeiro ministro, que deu uma conferência de imprensa em conjunto com o seu homólogo argelino, Abdelmalek Sellal, assumiu que a União Europeia tem muito a aprender com a experiência argelina nesta matéria.defendeu uma maior cooperação entre os serviços de informações de Portugal e da Argélia no âmbito do combate ao terrorismo, considerando que a União Europeia tem a aprender com a experiência argelina nesta matéria. O primeiro ministro assumiu esta posição numa conferência de imprensa conjunta com o seu homólogo argelino, Abdelmalek Sellal, no final da IV Cimeira Portugal-Argélia, que decorreu hoje em Argel, no Palácio do Governo da Argélia.

"Estamos de acordo, em primeiro lugar, que precisamos de conseguir ao nível dos serviços de informação ou de inteligência uma maior cooperação que nos traga vantagens mútuas", afirmou o chefe do executivo PSD/CDS-PP, em resposta a uma questão sobre o combate ao terrorismo.

Passos Coelho considerou que "a Argélia tem sido muito bem-sucedida no que respeita a todas as ações que visam combater o extremismo ou a radicalização", acrescentando: "Uma vez que esses fenómenos estão a bater à nossa porta com mais intensidade do que se supunha há alguns anos, poderemos ter muito que aprender em conjunto com a experiência argelina a benefício de países mais expostos no Sul da Europa à entrada de extremistas". 

O primeiro-ministro referiu que nesta cimeira luso-argelina foi analisada "com detalhe" a situação da Líbia, que no seu entender "tem vindo a agravar-se" e "corre o risco de gerar uma crise humanitária".

Passos Coelho afirmou que os governos português e argelino defendem "uma solução inclusiva", assente "sobretudo na via do diálogo", que "garanta a transição política e a estabilização da situação naquele país", que apontou como "fundamental para a segurança de toda a região mediterrânica".

"Parece-me que é a única via que assegura dois objetivos fundamentais: garantir a integridade do território líbio e, em segundo lugar, criar um espírito de união nacional que permita um Governo de coesão nacional. Levo desta troca de impressões com o meu colega argelino muita informação que creio será muito útil partilhar ao nível do Conselho Europeu, que terá lugar na próxima semana em Bruxelas", acrescentou.

"Parece-me que a Argélia tem ainda um papel importante a desempenhar na consolidação e no sucesso desse diálogo inclusivo. E a União Europeia, como outras instituições internacionais, não deverá prescindir de utilizar mais a experiência e o conhecimento no terreno que países como a Argélia têm e que podem ser muito importantes para o sucesso desse diálogo", reforçou.


Com Lusa
  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Míssil lançado do Iémen intercetado perto de Meca

    Mundo

    Um míssil balístico lançado pelos rebeldes xiitas do Iémen foi intercetado, quinta-feira à noite, perto de Meca, na Arábia Saudita, a um mês da peregrinação muçulmana anual do hajj, anunciou a coligação árabe que intervém no Iémen.