sicnot

Perfil

Mundo

Seca afeta mais de 14 mil pessoas em região sul de Angola

Mais de 14 mil pessoas, que há cerca de três anos sofrem as consequências de estiagem que afeta o município de Quilengues, na província angolana da Huíla, estão a necessitar de apoio humanitário.

Mais de 14 mil pessoas sofrem as consequências da seca, no município de Quilengues, na província angolana de Huíla.

Mais de 14 mil pessoas sofrem as consequências da seca, no município de Quilengues, na província angolana de Huíla.

reuters

A preocupação com a situação, que afeta 2.836 famílias, foi manifestada pelo diretor municipal de assistência social, Valentino Jeremias.

O responsável, citado hoje pela agência noticiosa angolana, Angop, sublinhou a necessidade de elaboração de um plano de contingência, com bens de primeira necessidade para acudir essas famílias, num total de 14.179 pessoas.

Segundo Valentino Jeremias, o município de Quilengues, 143 quilómetros a norte do Lubango, vive há pelo menos três anos uma situação de seca, à semelhança do município do Gambos, os mais afetados da província.

Para analisar a situação uma equipa multissetorial está a trabalhar na avaliação dos efeitos da seca, com vista a assistir a população afetada.

O sul e leste de Angola enfrentam desde finais de 2011 uma estiagem, que tem afetado seis das 18 províncias do país, em particular o Cunene, Namibe, Cuando Cubango, Huíla, Benguela e Cuanza Sul.



Lusa
  • Mação volta a enfrentar dias de pânico
    3:33
  • Fogo obrigou à evacuação de 6 aldeias do concelho do Sardoal
    1:56

    País

    O incêndio que chegou ao Sardoal obrigou à evacuação de seis aldeias. As pessoas foram encaminhadas para as instalações da Santa Casa da Misericórdia e vão regressando ao longo do dia de hoje. A A23 foi reaberta de madrugada, depois de ter estado várias horas cortada nos dois sentidos .

  • Ministra admite que a maioria dos incêndios começaram por mão humana
    1:57

    País

    A Ministra da Administração Interna admitiu esta quarta-feira que a maioria dos incêndios deste ano começaram por mão humana, mas Constança Urbano de Sousa entende que é cedo para tirar outras conclusões. Já o vice-presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses, Adelino Gomes, diz que não há duvidas e fala em terrorismo organizado. 

  • Sismo na região de Lisboa sentido num raio de 150km
    3:19