sicnot

Perfil

Mundo

Benjamin Netanyahu admite risco de derrota nas legislativas israelitas

 O primeiro-ministro cessante israelita, Benjamin Netanyahu, admitiu hoje o risco de uma derrota nas legislativas e alertou contra uma capitulação "em todas as frentes" diplomáticas em caso de vitória do seu adversário trabalhista Isaac Herzog.  

© Baz Ratner / Reuters

Em resposta, Herzog acusou Netanyahu de ceder ao "pânico". 

"A nossa segurança está em grande perigo porque é risco de perdermos estas eleições é real", declarou Netanyahu em entrevista ao diário Jerusalem Post e a cinco dias das legislativas. 

Netanyahu tem-se concentrado em unificar os eleitores do seu partido Likud, e quando as sondagens fornecem uma vantagem confortável à União sionista, uma aliança do Partido Trabalhista de Isaac Herzog e do partido centrista HaTnuah, de Tzipi Livni.

"Se a distância continuar a aumentar entre o Likud e o Partido trabalhista, numa semana Herzog e Livni serão primeiros-ministros que vão alterar no cargo, com o apoio dos partidos árabes", assegurou Netanyahu na entrevista, que deve ser publicada na íntegra sexta-feira. Em caso de vitória, Herzog e Livni concordaram em alternarem-se na chefia do governo em cada dois anos. 

"Nenhum deles possui as qualidades necessárias para liderar. Terão primeiros-ministros que vão recuar à primeira pressão", advertiu Netanyahu, que fez toda a sua campanha afirmando-se como o garante da segurança do seu país.  

"Vão fazer pressão para que nos retiremos das linhas de 1967 e para que dividamos Jerusalém. Farão pressão para que deixemos de nos opor a um acordo [internacional sobre o nuclear] iraniano", prosseguiu. "Eles vão capitular em todas as frentes", disse ainda Netanyahu numa referência aos seus adversários políticos internos. 

Em declarações à rádio militar, Herzog acusou Netanyahu de ceder um "severo ataque de pânico". "Regressa à retórica da cobardia e das ameaças", disse. 

Herzog recebeu hoje o apoio oficial do antigo presidente Shimon Peres, membro histórico do partido trabalhista. 

Em paralelo, duas sondagens confirmaram a vantagem para a União sionista, com 24 deputados num parlamento de 120 lugares, e 20 para o Likud. 

No sistema eleitoral israelita, o chefe do partido vencedor não é necessariamente chamado para formar governo, mas antes o que apresenta melhores condições para formar uma coligação. As diversas alianças possíveis tornam muito incerto o nome do futuro primeiro-ministro. 


Lusa
  • Mulheres ultra-ortodoxas formam partido em Israel

    Mundo

    Em Israel, um grupo de mulheres ultra-ortodoxas formou um partido e está na corrida para as eleições da próxima semana. Num corte radical com as tradições da comunidade, as candidatas promovem uma campanha dirigida às mulheres e às suas necessidades, que dizem ser negligenciadas. 

  • Divorciados vão poder dividir filhos no IRS 

    Economia

    Os divorciados vão passar a poder dividir os filhos no IRS (imposto sobre o rendimento singular) e o Governo está a estudar soluções para que em 2018 haja um novo sistema para lidar com a guarda conjunta de filhos.

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.