sicnot

Perfil

Mundo

Processos por crimes ambientais na China aumentaram 8,5 vezes

Os processos judiciais por atentados ao ambiente na China aumentaram 8,5 vezes em 2014, ilustrando a "guerra à poluição" prometida pelo Governo chinês, anunciou hoje o presidente do Supremo Tribunal do país, Zhou Qiang.

Poluição em Beijing, a 28 de fevereiro de 2013.

Poluição em Beijing, a 28 de fevereiro de 2013.

© China Daily China Daily Information Corp - CDIC / Reuters

No conjunto, os tribunais chineses instauraram cerca de 16.000 processos relacionados com crimes ambientais, precisa o relatório anual que aquele magistrado apresentou à Assembleia Nacional Popular.

A poluição, que tinge frequentemente de cinzento o céu de Pequim e de outras grandes cidades chinesas, tornou-se nos últimos anos uma das principais fontes de insatisfação popular, a par da corrupção e das crescentes desigualdades sociais. Mais de metade dos rios e lagos do país estão poluídos.

Um outro relatório, apresentado à Assembleia Nacional Popular pelo procurador-geral da China, Cao Jianming, indica que cerca de 25.000 pessoas foram acusadas o ano passado de crimes contra o ambiente.

E cerca de 1.200 funcionários de departamentos governamentais encarregues da defesa do ambiente foram acusados de corrupção, referiu o mesmo magistrado.

Em 2014, o novo primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, afirmou que o Governo ia "declarar guerra à poluição".

"Lutaremos contra a corrupção com a mesma determinação com que combatemos a pobreza", disse.

No relatório apresentado na semana passada à Assembleia Nacional Popular, Li Keqiang reconheceu que "a poluição ambiental mancha a qualidade de vida do povo e constitui uma perturbação que pesa no coração".

 "Revolucionar a produção e consumo de energia é vital para o desenvolvimento de qualquer país e para o bem-estar do seu povo", afirmou.

A reunião anual da Assembleia Nacional Popular chinesa decorre até domingo no Grande Palácio do Povo, em Pequim, com cerca de 3.000 deputados.


Lusa

  • Catalunha vs Espanha
    29:35

    Grande Reportagem SIC

    2017 ficará como o ano da Catalunha e de como a região espanhola foi falada em todo o mundo, por causa do grito de independência que não aconteceu. O jornalista Henrique Cymerman esteve na Catalunha e foi um dos únicos repórteres do mundo que conseguiu chegar ao esconderijo do presidente demissionário do Governo catalão, Carles Puigdemont, em Bruxelas.

  • Tiroteio em Espanha causa três mortos

    Mundo

    Um tiroteio na cidade espanhola de Teruel, na região de Aragão, fez esta quinta-feira três mortos, entre os quais dois elementos da Guardia Civil. O atirador está em fuga.

  • As IPSS são estruturantes no país. Fazem o que Estado não faz porque não pode, não quer, ou não chega a tudo. Chama-se sociedade civil a funcionar. E o Estado subsidia, ajuda, (com)participa, apoia. Nada contra. A questão é quando as IPSS e outras instituições, fundações, associações, federações e quejandas se tornam verdadeiras "indústrias".

    Pedro Cruz

  • Os Simpsons já sabiam em 1998 que a Fox iria pertencer à Disney

    Cultura

    Os Simpsons acertaram outra vez. Algo que tem acontecido regularmente nos últimos tempos, com a eleição de Donald Trump, o aparecimento do vírus Ébola ou o escândalo dos Panama Papers. Desta vez, a previsão remonta a 1998, quando a série previu que a 20th Century Fox iria pertencer à Disney.

    SIC