sicnot

Perfil

Mundo

Ciclone tropical devastador atinge Vanuatu

Um devastador ciclone tropical atingiu Vanuatu, ilha do Pacífico Sul, deixando um rasto de "destruição inacreditável", temendo-se que haja dezenas de vítimas mortais, segundo relatos de organizações não-governamentais.

© Ho New / Reuters

Trabalhadores da Cruz Vermelha da Austrália deram conta, através da rede social Twitter, da "inacreditável destruição" em Vanuatu, indicando que "as necessidades humanitárias são enormes", dado que "muitas pessoas perderam as suas casas". 

O ciclone tropical Pam atingiu na categoria máxima (5) o Vanuatu, provocando "apagões" massivos, estando as comunicações cortadas em quase toda a região, pelo que, segundo os serviços de emergência, serão precisas várias horas até que se possa ter uma ideia clara da situação no arquipélago.

"Abrigos, comida e água [são] prioridades urgentes", acrescentaram os mesmos funcionários da Cruz Vermelha australiana no Twitter citados pela CNN.

O gabinete de coordenação para os assuntos humanitários da ONU revelou hoje estar a tentar confirmar as informações de que o ciclone tropical fez 44 mortos.

O ciclone tropical Pan atravessou a principal ilha de Vanuatu, com mais de 65 mil habitantes, transportando ventos de mais de 250 quilómetros por hora e obrigando os moradores a passarem a noite em abrigos provisórios, disse a responsável pela região do Pacífico da Cruz Vermelha, Aurelia Balpe, à agência AFP.

O Departamento de Meteorologia da Austrália, que tem estado a monitorizar o ciclone tropical, informou que a maior parte das zonas do Vanuatu foram afetadas.

Aparentemente, o fenómeno mudou a sua trajetória à última hora, golpeando a capital, Port Vila, de forma mais violenta do que o esperado.

Um funcionário da Proteção Civil escreveu mesmo no Facebook que "qualquer pessoa que não esteja neste momento num abrigo corre perigo de vida".


Lusa

  • Captura ilegal de cavalos-marinhos na Ria Formosa
    3:02

    País

    Há cada vez menos cavalos marinhos na Ria Formosa. Cientistas da Universidade do Algarve dizem que a maior população desta espécie no mundo, que é a que existe na Ria Formosa, está ameaçada devido à captura ilegal para o mercado asiático. Dizem que, se nada for feito para travar este fenómeno, esta espécie protegida pode desaparecer em poucos anos.