sicnot

Perfil

Mundo

Dez norte-americanos sob observação por receio de contágio do Ébola

Pelo menos dez norte-americanos foram transportados da Serra Leoa para os Estados Unidos para ficarem sob observação por se recear que possam ter sido infetados com o vírus do Ébola, foi hoje anunciado. 

© Reuters Staff / Reuters

Os dez indivíduos trabalham na área da saúde e podem ter contraído a doença, o que levou o governo dos Estados Unidos a tomar esta decisão, de acordo com o Centro de Controlo de Doenças (CDC, sigla em inglês) norte-americano.

O CDC acrescentou que vão ficar em instalações próximas dos Institutos de Saúde dos Estados Unidos (NIH), no estado de Maryland, na universidade do estado de Nebraska, ou no hospital universitário de Emory, em Atlanta. 

De momento não darão entrada como doentes, já que ainda não se confirmou se foram infetados com Ébola, sendo necessário esperar os 21 dias de incubação do vírus. 

O CDC não descartou a possibilidade de fazer regressar a casa mais norte-americanos que possam ter sido expostos ao vírus e que estejam numa situação de risco na Serra Leoa. 

Estes dez norte-americanos terão sido expostos ao vírus, depois de contactos com outro norte-americano transportado da Serra Leoa e que foi admitido na sexta-feira nas instalações do NIH perto de Washington. Este doente contraíu a doença e encontra-se em estado grave. 

O doente, cuja identidade não foi divulgada, trabalhava como voluntário numa unidade de tratamento do Ébola na Serra Leoa, um dos países da África ocidental mais afetados pela epidemia. 

Na quinta-feira, a Organização Mundial de Saúde (OMS) anunciou que a epidemia de Ébola na África ocidental ultrapassou a fasquia dos dez mil mortos. 

Os três países mais afetados pelo vírus do Ébola -- Serra Leoa, Guiné-Conacri e Libéria - contabilizaram 10.004 mortes em 24.350 casos registados, desde que a epidemia surgiu na África Ocidental, no sul da Guiné-Conacri, em dezembro de 2013, indicou a agência das Nações Unidas.

Foram também registadas seis vítimas mortais no Mali, uma nos Estados Unidos e oito na Nigéria. Todos estes países foram declarados livres do vírus.


Lusa
  • Nunca mais
    9:16