sicnot

Perfil

Mundo

Milhares de espanhóis manifestam-se contra o aborto em Madrid

Milhares de espanhóis manifestaram-se hoje, em Madrid, contra a decisão do Governo espanhol de abandonar os planos para restringir o acesso das mulheres ao aborto, que poderá custar os votos dos conservadores nas eleições deste ano. 

© Andrea Comas / Reuters

© Andrea Comas / Reuters

© Andrea Comas / Reuters

© Andrea Comas / Reuters

© Andrea Comas / Reuters

Acenando com bandeiras brancas, os manifestantes pró-vida de todas as idades manifestaram-se pelo centro de Madrid e, entre as várias palavras de ordem, gritavam "Todas as vidas importam!".

O primeiro-ministro, Mariano Rajoy, prometeu antes das eleições de 2011 que iria restringir a lei do aborto em Espanha, mas abandonou o plano em setembro do ano passado, devido à discordância dentro do seu próprio partido (Partido Popular/PP).

Esta reforma teria terminado com o direito da mulher de optar livremente por um aborto até 14 semanas de gravidez, o que é padrão em grande parte da Europa.

O Governo espanhol, no mês passado, propôs uma nova reforma, obrigando as jovens entre os 16 e 17 anos a terem o consentimento dos pais para abortar.

Nem mesmo esta proposta conseguiu pacificar os ativistas pró-vida, que alegaram que esta proposição não é suficiente.

"Eu votei no PP porque incluía a defesa do direito à vida no seu programa eleitoral", disse um manifestante, Francisco de Castro, de 40 anos, de Valência.

"Agora, percebemos que não estão a defender a vida. Por essa razão, perderam o meu voto", acrescentou.

O PP chegou ao poder com uma vitória esmagadora sobre os socialistas (PSOE) nas eleições de 2011, no auge da crise económica, mas o panorama eleitoral da Espanha está a transformar-se desde então.

Partidos alternativos como o PODEMOS, de esquerda, e os Cidadãos, de direita, estão a crescer nas pesquisas de opinião, retirando votos ao PP e aos socialistas.


Lusa

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • À descoberta de Dago, o destroço mais visitado em mergulho de profundidade
    13:51
  • Uma viagem aérea pela aldeia histórica de Monsanto
    0:50
  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Quase três mil toneladas de plástico ameçam tartarugas no Mediterrâneo
    2:35

    Mundo

    O Mar Mediterrâneo está sob a ameaça de se tornar uma lixeira com três mil toneladas de plástico a flutuarem entre a Europa e África. Há milhões de turistas a nadarem nestas águas e há espécies marinhas que já estão em perigo. No Chipre, os cientistas estão a tentar proteger tartarugas, cuja alimentação já é quase totalmente de plástico.

  • Deputado da Malásia diz que negar sexo ao marido é uma forma de abuso

    Mundo

    Um deputado malaio tem sido alvo de algumas críticas na internet, depois de ter dito que negar sexo a maridos é uma forma de abuso psicológico e emocional por parte das mulheres. As declarações de Che Mohamad Zulkifly Jusoh foram feitas durante um debate sobre as alterações às leis de violência doméstica, na quarta-feira.

    SIC