sicnot

Perfil

Mundo

Ciclone Pam causa 24 mortos em Vanuatu

O ciclone Pam, que afetou o arquipélago de Vanuatu com ventos que superaram os 300 quilómetros por hora, causou a morte a 24 pessoas, confirmou hoje a Coordenação de Assuntos Humanitários das Nações Unidas (OCHA).

© POOL New / Reuters

De acordo com um relatório da OCHA, registaram-se "11 mortes em Tafea, oito em Efate e cinco em Tanna" na sequência do ciclone, o maior registado até à data, que assolou Vanuatu, atingindo o pico de intensidade na sexta-feira à noite, com ventos entre 250 e 270 quilómetros por hora, e rajadas de 340 quilómetros por hora na capital, Port Vila, além de chuvas torrenciais.

O arquipélago de Vanuatu, composto por mais de 80 ilhas que se estendem entre as Fiji e a Nova Caledónia, é um dos países mais pobres do mundo, e o seu presidente, Baldwin Lonsdale, expressou à AFP a necessidade de ajuda perante a catástrofe natural.

"A necessidade de ajuda humanitária é imediata, precisamos dela agora", disse quando se preparava para regressar a casa após participar na III Conferência Mundial da ONU sobre a Redução de Riscos de Desastres, no Japão, acrescentando que Vanuatu vai precisar de apoio financeiro e assistência para começar a reconstruir as infraestruturas, pois terá de "construir tudo" de novo.

Por seu lado, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) estimou que pelo menos 60.000 mil crianças carecem de assistência urgente após terem sido afetadas pelo ciclone, revelando-se particularmente preocupado com a "saúde, nutrição, segurança, educação e reconstrução" naquela região do Pacífico, onde também já chegou uma equipa da Organização Mundial de Saúde.

As agências internacionais de ajuda humanitária descrevem as condições de Vanuatu como as mais desafiadoras que já enfrentaram, piores do que o cenário encontrado após o tufão devastador nas Filipinas, em 2013, segundo notícias de hoje da AFP.

As equipas no terreno deparam-se com a dificuldade em distribuir os mantimentos para as 80 ilhas do arquipélago, advertindo que vão passar vários dias até a ajuda chegar às aldeias remotas afetadas pela tempestade.

No domingo, o Fundo Monetário Internacional ofereceu ajuda financeira a Vanuatu, enquanto o Banco Mundial e o Departamento para o Desenvolvimento Internacional do governo britânico anunciaram hoje o lançamento de um fundo de apoio a países em desenvolvimento para financiar projetos inovadores de capacitação das comunidades contra catástrofes naturais.







Lusa
  • Estamos quase na hora de verão

    País

    Esta madrugada muda a hora. Quando for 1h00, os relógios adiantam para as 2h00. Será uma noite com menos tempo de sono, mas os dias vão ficar mais longos com o chamado horário de verão.

  • Hora do Planeta, apagam-se as luzes para despertar consciências
    2:19
  • Divorciados vão poder dividir filhos no IRS 

    Economia

    Os divorciados vão passar a poder dividir os filhos no IRS (imposto sobre o rendimento singular) e o Governo está a estudar soluções para que em 2018 haja um novo sistema para lidar com a guarda conjunta de filhos.

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Ataques aéreos dos EUA em Mossul podem ter causado a morte de 200 civis
    1:22
  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.

  • Quando o cancro chega por mero acaso
    1:55

    Mundo

    Cerca de dois terços das mutações que ocorrem nas células cancerígenas devem-se ao acaso, segundo um estudo da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. Em Portugal, o Diretor do Programa Nacional Doenças Oncológicas alerta para a importância de um diagnóstico precoce e um estilo de vida saudável como forma de reduzir a fatalidade.