sicnot

Perfil

Mundo

Ciclone Pam causa 24 mortos em Vanuatu

O ciclone Pam, que afetou o arquipélago de Vanuatu com ventos que superaram os 300 quilómetros por hora, causou a morte a 24 pessoas, confirmou hoje a Coordenação de Assuntos Humanitários das Nações Unidas (OCHA).

© POOL New / Reuters

De acordo com um relatório da OCHA, registaram-se "11 mortes em Tafea, oito em Efate e cinco em Tanna" na sequência do ciclone, o maior registado até à data, que assolou Vanuatu, atingindo o pico de intensidade na sexta-feira à noite, com ventos entre 250 e 270 quilómetros por hora, e rajadas de 340 quilómetros por hora na capital, Port Vila, além de chuvas torrenciais.

O arquipélago de Vanuatu, composto por mais de 80 ilhas que se estendem entre as Fiji e a Nova Caledónia, é um dos países mais pobres do mundo, e o seu presidente, Baldwin Lonsdale, expressou à AFP a necessidade de ajuda perante a catástrofe natural.

"A necessidade de ajuda humanitária é imediata, precisamos dela agora", disse quando se preparava para regressar a casa após participar na III Conferência Mundial da ONU sobre a Redução de Riscos de Desastres, no Japão, acrescentando que Vanuatu vai precisar de apoio financeiro e assistência para começar a reconstruir as infraestruturas, pois terá de "construir tudo" de novo.

Por seu lado, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) estimou que pelo menos 60.000 mil crianças carecem de assistência urgente após terem sido afetadas pelo ciclone, revelando-se particularmente preocupado com a "saúde, nutrição, segurança, educação e reconstrução" naquela região do Pacífico, onde também já chegou uma equipa da Organização Mundial de Saúde.

As agências internacionais de ajuda humanitária descrevem as condições de Vanuatu como as mais desafiadoras que já enfrentaram, piores do que o cenário encontrado após o tufão devastador nas Filipinas, em 2013, segundo notícias de hoje da AFP.

As equipas no terreno deparam-se com a dificuldade em distribuir os mantimentos para as 80 ilhas do arquipélago, advertindo que vão passar vários dias até a ajuda chegar às aldeias remotas afetadas pela tempestade.

No domingo, o Fundo Monetário Internacional ofereceu ajuda financeira a Vanuatu, enquanto o Banco Mundial e o Departamento para o Desenvolvimento Internacional do governo britânico anunciaram hoje o lançamento de um fundo de apoio a países em desenvolvimento para financiar projetos inovadores de capacitação das comunidades contra catástrofes naturais.







Lusa
  • Bombeiros ficaram de prevenção após intoxicação em Corroios
    1:16

    País

    17 alunos da escola EB 2+3 em Corroios, no Seixal, foram hospitalizados esta segunda-feira com sintomas de intoxicação alimentar. Os alunos, entre os 7 e os 14 anos, foram transportados 12 para o hospital Garcia de Orta, em Almada e cinco para o hospital do Barreiro. O transporte foi feito pelos bombeiros voluntários da Amora e do Seixal mantiveram uma equipa de socorro no local apenas por prevenção.

  • "Nada mais há a dizer" sobre a Caixa
    0:13

    Caso CGD

    O primeiro-ministro voltou esta segunda-feira a dizer que já não há nada para discutir, na polémica sobre a entrega de declarações de património dos gestores da CGD. Foram as declarações de António Costa, na Cidade da Praia, à margem da quarta cimeira bilateral entre Portugal e Cabo Verde.

  • Venda do Novo Banco terá que ser negociada em Bruxelas
    0:43

    Economia

    A venda do Novo Banco vai ter que ser negociada com Bruxelas, uma vez que o Lone Star planeia agora ficar com 65% da instituição, obrigando o Estado a manter uma posição no banco. O ministro das Finanças lembra que esta também era uma possibilidade mas salienta que o assunto está nas mãos do Banco de Portugal.

  • Trump e os jornalistas: uma relação (su)rreal
    2:08
  • Modelo obrigada a prometer que não volta a arriscar a vida numa sessão fotográfica
    1:46