sicnot

Perfil

Mundo

Último dia de campanha eleitoral em Israel

Hoje é o último dia de campanha eleitoral em Israel. Milhões de israelitas vão amanhã a votos para escolherem um novo governo. A eleição irá determinar se o atual primeiro-ministro Benjamin Netanyahu consegue mais um mandato.

Os rotos de Benjamin Netanyahu (direita) e o seu rival Isaac Herzog, num outdoor rotativo automático

Os rotos de Benjamin Netanyahu (direita) e o seu rival Isaac Herzog, num outdoor rotativo automático

© Baz Ratner / Reuters

As sondagens mais recentes mostram que o partido de Netanyahu, o Likud, está atrás do partido centrista, a União Sionista.

Na campanha, o principal rival, Isaac Herzog, tem prometido retomar os laços com os palestinianos e aliviar a classe média.

Nenhum dos partidos deverá conseguir uma maioria. Espera-se por isso um longo periodo de negociações para formarem uma coligação.
  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • "Tudo o que o Benfica está a fazer é uma forma de coação"
    1:59
    Play-Off

    Play-Off

    DOMINGO 22:00

    As queixas do Benfica contra a Federação Portuguesa de Futebol e a Liga foram tema de debate no Play-Off da SIC Notícias. Rodolfo Reis, Manuel Fernandes e Rui Santos acreditam que a posição está relacionada com o clássico Benfica-Porto do próximo sábado. Já João Alves considera que estes comunicados podem prejudicar o Benfica.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41
  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.