sicnot

Perfil

Mundo

Torre Eiffel desaparece sob nuvem de fumo e nevoeiro

A torre Eiffel desapareceu hoje sob uma nuvem castanha de fumo e nevoeiro, quando Paris e grande parte do norte de França registaram um pico nos níveis de poluição. 

© Gonzalo Fuentes / Reuters

© Gonzalo Fuentes / Reuters

© Gonzalo Fuentes / Reuters

"Os níveis de poluição são consistentes. Se não ultrapassarmos o nível de alerta, não ficaremos longe", disse Airparif, organismo responsável pela monitorização da qualidade do ar na região metropolitana de Paris. 

Esta manhã, as autoridades reduziram a velocidade máxima autorizada da circulação automóvel para 20 quilómetros por hora nas autoestradas, estradas e vias rápidas da área de Paris, disse a polícia. 

Outras medidas de emergência significam impor a circulação alternada dos veículos e decretar transportes públicos gratuitos. 

Estas medidas foram aplicadas em 17 de março do ano passado, durante um pico grave dos níveis de poluição na cidade. 

Nesta situação, as pessoas mais vulneráveis - crianças, idosos e doentes - evitar atividades físicas ao ar livre ou no interior, dado que estas partículas afetam particularmente os sistemas respiratório e cardiovascular. 

Na capital francesa, as autoridades medem a concentração de partículas com um diâmetro inferior a 10 mícrones - conhecido como PM10 - no ar para determinar o nível de poluição. 

Estas partículas são criadas por veículos, aquecimentos e indústria pesada. As mais perigosas medem menos de 2,5 mícrones de diâmetro e podem entrar nos pulmões e no sistema circulatório, onde podem causar cancro. 

O limite de segurança para o PM10 situa-se nos 80 microgramas por metro cúbico (mcg/m3). 

O nível de alerta já foi atingido este ano, em Paris, duas vezes: 1 de janeiro e 12 de fevereiro. 

De acordo com um relatório de 2011 da Organização Mundial de Saíde, a cidade mais poluída do planeta era Ahvaz, no Irão, com uma média de 372 microgramas por metro cúbico. 

Pequim registava, em média, 121 mcg/m3, enquanto Paris media 38 mcg/m3. 

Lusa

  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • Esquerda contra a venda do Novo Banco
    1:51

    Economia

    O futuro do Novo Banco promete agitar a maioria de esquerda nas próximas semanas. O Bloco de Esquerda e o PCP estão contra os planos de privatização e insistem que a solução é nacionalizar o banco. O Bloco de Esquerda defende que privatizar 75% é o pior de dois mundos. Já o PCP diz que o banco deve ser integrado no setor público.

  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32

    País

    Há cada vez mais homens e idosos a pedirem ajuda à Associação Portuguesa de Apoio à Vítima. Segundo o relatório anual da APAV conhecido esta segunda-feira, foram identificadas quase 10 mil vítimas de violência no ano passado. Cerca de 80% são mulheres casadas e com cerca de 50 anos.