sicnot

Perfil

Mundo

Policias homossexuais venezuelanos obrigados a ocultar preferências sexuais

Os polícias venezuelanos que são homossexuais passaram a ser obrigados a ocultar publicamente a suas preferências porque isso "não vai" com a cultura venezuelana, disse o presidente da Comissão Presidencial para a Reforma Policial.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Carlos Garcia Rawlins / Reuters

"(Um homossexual) sim pode ser um funcionário policial sempre que não manifeste publicamente a sua apetência sexual, porque imaginem um funcionário que queira vestir uma camisa cor de rosa ou pintar os lábios", disse Freddy Bernal numa entrevista ao canal de privado de televisão Globovisión. 

Freddy Bernal frisou que não é contra a diversidade sexual e que todos os cidadãos têm direito a expressar a livre determinação sexual,  mas no caso dos funcionários "na Venezuela isso é contrário à cultura venezuelana". 

O ex-polícia defendeu, no entanto, que na Venezuela as pessoas não são discriminadas em função da raça, sexo ou condição social.

"Como socialistas aceitamos e valorizamos a condição humana, para além da condição sexual, mas numa academia de polícia tem que haver homens e mulheres que deem exemplo", afirmou.

Bernal questionou ainda o uso de tatuagens, brincos, ou querer "aparentar ser como um hippie". 
Lusa
  • Videoamador mostra grupo a atar tocha a um touro
    1:33
  • PJ investiga forma como o FC Porto obteve os e-mails
    1:58

    Desporto

    Enquanto o campeonato português de futebol está de férias do relvado, nos bastidores continua uma guerra aberta por causa dos e-mails. O FC Porto entregou à Polícia Judiciária toda a documentação disponível do chamado caso dos e-mails, que envolve o Benfica num alegado esquema de corrupção. O pedido foi feito pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção da PJ. A forma como o FC Porto obteve os e-mails também está a ser investigada pela Polícia Judiciária.

  • Manifestantes bloquearam Caracas

    Mundo

    Milhares de pessoas bloquearam esta sexta-feira as ruas de Caracas e de outras cidades, em protesto contra a repressão e o assassinato de manifestantes pelas forças de segurança.