sicnot

Perfil

Mundo

Policias homossexuais venezuelanos obrigados a ocultar preferências sexuais

Os polícias venezuelanos que são homossexuais passaram a ser obrigados a ocultar publicamente a suas preferências porque isso "não vai" com a cultura venezuelana, disse o presidente da Comissão Presidencial para a Reforma Policial.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Carlos Garcia Rawlins / Reuters

"(Um homossexual) sim pode ser um funcionário policial sempre que não manifeste publicamente a sua apetência sexual, porque imaginem um funcionário que queira vestir uma camisa cor de rosa ou pintar os lábios", disse Freddy Bernal numa entrevista ao canal de privado de televisão Globovisión. 

Freddy Bernal frisou que não é contra a diversidade sexual e que todos os cidadãos têm direito a expressar a livre determinação sexual,  mas no caso dos funcionários "na Venezuela isso é contrário à cultura venezuelana". 

O ex-polícia defendeu, no entanto, que na Venezuela as pessoas não são discriminadas em função da raça, sexo ou condição social.

"Como socialistas aceitamos e valorizamos a condição humana, para além da condição sexual, mas numa academia de polícia tem que haver homens e mulheres que deem exemplo", afirmou.

Bernal questionou ainda o uso de tatuagens, brincos, ou querer "aparentar ser como um hippie". 
Lusa
  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Dijsselbloem não comenta hipótese de ser substituído por Mário Centeno
    2:41

    Mundo

    Jeroen Dijsselbloem diz que cabe ao Governo português avançar com o nome de Mário Centeno para a presidência do Eurogrupo, mas não comenta a sondagem que foi feita ao ministro das Finanças português. Ouvido esta quinta-feira no Parlamento Europeu, o Presidente do Eurogrupo esteve no centro das críticas e reafirmou que não se demite.