sicnot

Perfil

Mundo

Policias homossexuais venezuelanos obrigados a ocultar preferências sexuais

Os polícias venezuelanos que são homossexuais passaram a ser obrigados a ocultar publicamente a suas preferências porque isso "não vai" com a cultura venezuelana, disse o presidente da Comissão Presidencial para a Reforma Policial.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Carlos Garcia Rawlins / Reuters

"(Um homossexual) sim pode ser um funcionário policial sempre que não manifeste publicamente a sua apetência sexual, porque imaginem um funcionário que queira vestir uma camisa cor de rosa ou pintar os lábios", disse Freddy Bernal numa entrevista ao canal de privado de televisão Globovisión. 

Freddy Bernal frisou que não é contra a diversidade sexual e que todos os cidadãos têm direito a expressar a livre determinação sexual,  mas no caso dos funcionários "na Venezuela isso é contrário à cultura venezuelana". 

O ex-polícia defendeu, no entanto, que na Venezuela as pessoas não são discriminadas em função da raça, sexo ou condição social.

"Como socialistas aceitamos e valorizamos a condição humana, para além da condição sexual, mas numa academia de polícia tem que haver homens e mulheres que deem exemplo", afirmou.

Bernal questionou ainda o uso de tatuagens, brincos, ou querer "aparentar ser como um hippie". 
Lusa
  • Eis os novos heróis de Vila de Aves
    3:03
  • Desportivo das Aves fora da Liga Europa

    Desporto

    O Desportivo das Aves não vai à Liga Europa e o Sporting terá entrada direta na fase de grupos. Apesar da conquista da Taça de Portugal, a equipa avense não se licenciou em tempo útil para poder participar na prova da UEFA, apurou a SIC.

  • E agora, Sporting? Semana de decisões e incertezas
    2:53
  • "Para primeiro dia de pesca da sardinha, não foi mau"
    2:19
  • "Desfiliei-me do PS mas continuo socialista"
    1:29

    País

    José Sócrates garantiu este domingo que não atacará o PS e que continua a ser socialista. O antigo primeiro-ministro participou num almoço de apoio, em Lisboa, com cerca de 100 pessoas, a maioria anónimos.