sicnot

Perfil

Mundo

Xanana Gusmão e Kirsty Sword anunciam divórcio

O ex-primeiro-ministro timorense Xanana Gusmão e a sua mulher, a australiana Kirsty Sword anunciaram hoje em comunicado que se vão divorciar.

REUTERS/Lirio Da Fonseca

"Gostaríamos de informar os nossos amigos e colegas e todos aqueles que sempre nos apoiaram sobre a nossa decisão de divórcio", referem em comunicado.

O casal viu-se pela última vez durante uma recente visita de Xanana Gusmão à cidade australiana de Melbourne, onde Kirsty vive atualmente com os três filhos comuns.

"Ambos dedicámos muito das nossas vidas a procurar e a assegurar a independência para Timor-Leste e depois toda a nossa vida enquanto casal a trabalhar nos vários estádios e desafios associados, e construção de uma nação a partir do nada", acrescentam no documento.

Os dois dizem que vão continuar a trabalhar juntos quer no apoio a Timor-Leste quer no cuidado das crianças. 

Kirsty Sword, que tem estado na Austrália desde final de 2012, onde iniciou o tratamento de cancro da mama, vai manter o seu cargo enquanto presidente na Fundação Alola e embaixadora da boa vontade de Timor-Leste para a educação, adiantam.

Xanana Gusmão é o atual ministro do Planeamento e Investimento Estratégico de Timor-Leste.  

"Claro que encaramos o futuro com alguma tristeza, mas sem arrependimento, porque a nossa parceria e jornada foram únicas e ricas em experiência e assim continuará a ser", escrevem no comunicado.

Declarando-se "unidos na perspetiva de um Timor-Leste pacífico e próspero", pedem privacidade, particularmente para os filhos, "neste momento difícil".

Xanana e Kirsty conheceram-se em dezembro de 1994 quando Xanana cumpria uma pena de prisão de 20 anos em Cipinang, Jakarta, (Indonésia). Casaram-se em 2000, em Díli (Timor-Leste), e têm três filhos: Alexandre, kay Olok e Daniel.


Lusa
  • Oceanário de Lisboa dá formação sobre impacto da acumulação de plásticos nos oceanos
    2:37
  • Trump e Netanyahu discutiram "ameaças que o Irão coloca"

    Mundo

    O novo Presidente norte-americano, Donald Trump, e o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, debateram "as ameaças que o Irão coloca" e concordaram que a paz israelo-palestiniana só pode ser "negociada diretamente", anunciou este domingo a Casa Branca.