sicnot

Perfil

Mundo

Explosão em prisão de alta segurança de Maputo sem feridos nem evasões

Um engenho explodiu hoje à tarde junto do muro da prisão de alta segurança de Maputo (vulgo BO), sem registo de feridos nem de reclusos evadidos, informou o Serviço Nacional Penitenciário de Moçambique.

A explosão ocorreu por volta das 15:10 (menos duas em Portugal), junto da guarita cinco, na parte exterior do muro da BO, segundo um comunicado enviado à Lusa pela entidade dependente do Ministério da Justiça.

"Na sequência da explosão, houve o rompimento do muro da vedação, criando um buraco de cerca de um metro de diâmetro, mas sem registo de feridos nem evadidos", descreveram as autoridades penitenciárias, que suspeitam de uma ação "com a finalidade de propiciar condições para a evasão de reclusos".

Foram já iniciados trabalhos de reconstrução da área atingida, em colaboração com a Brigada Especial das Forças da Defesa e Segurança, enquanto decorrem as investigações "com vista a determinar o tipo de engenho, o período da sua implantação, entre outras informações relevantes".

Lusa
  • Parabéns! Portugal faz hoje 839 anos

    País

    É dia de cantar os parabéns. Portugal celebra esta quarta-feira 839 anos, depois de a 23 de maio de 1179 o Papa Alexandre III ter emitido a bula "Manifestis Probatum" onde reconhece o território como reino independente.

    SIC

  • Cachalote-pigmeu morreu pouco tempo depois de dar à costa em Lisboa
    1:13
  • Presidente da República apoia reforma "quanto antes" do Tribunal de Contas
    1:13

    País

    O Presidente da República defendeu esta manhã uma reforma do Tribunal de Contas para que se adeque a lei que prevê o controlo das entidades públicas. Para Marcelo Rebelo de Sousa, se a lei der melhores meios de controlo e for de mais rápida aplicação, vai dissuadir casos de má gestão de dinheiros públicos que acabam por resultar em crimes.

  • PSD compara SNS a um "cenário de guerra", Centeno desdramatiza
    2:44

    Economia

    O ministro das Finanças esteve esta amanhã no Parlamento e voltou a não comprometer-se com aumentos salariais na função pública no próximo ano. Deu mesmo a entender que a medida não é prioritária. A discussão passou também pelo Serviço Nacional de Saúde. Centeno desdramatizou as carências mas o PSD comparou o que s passa a um cenário de guerra.