sicnot

Perfil

Mundo

Carlos Moedas defende diplomacia europeia através da ciência

 A ciência pode ter um papel diplomático para manter em diálogo vários lados de conflitos, defendeu hoje o comissário europeu para a Ciência e Inovação, Carlos Moedas. 

Olivier Hoslet

"A ciência tem um papel extraordinário em termos diplomáticos: é uma linguagem que todos falam e que mantém pontes entre várias áreas de um conflito. Temos de utilizar mais a ciência para sentar as diferentes partes do conflito", disse hoje Carlos Moedas, em Londres, onde iniciou uma visita de trabalho de dois dias. 

Este será o tema de uma palestra à Royal Society, instituição centenária de apoio à ciência, e também uma das prioridades do mandato do português até 2019. 

Na semana passada, Carlos Moedas esteve em Kiev para assinar um protocolo com o Governo ucraniano que abre a participação daquele país no programa de financiamento Horizonte 2020, que já inclui outros países extra europeus como Israel, Turquia, Ilhas Faroé, Islândia ou Noruega. 

Em breve tenciona dirigir-se à Jordânia para visitar um projeto Sesame (Synchrotron-Light for Experimental Science and Applications in the Middle East) de um acelerador de partículas onde colaboram, entre outros, jordanos, israelitas, iranianos e palestinianos. 

"Há poucos projetos no mundo onde estão sentados cientistas de Israel com palestinos e iranianos. Mostra que a ciência é uma linguagem que senta à volta da mesa pessoas que de outra forma não estariam sentadas", vincou. 

Carlos Moedas defende que a União Europeia e a Comissão deveriam usar mais a diplomacia através da ciência. 

"É uma das minhas grandes prioridades, mostrar como a ciência e diplomacia podem dar a mão para ajudar a resolver conflitos, mesmo não chegando a uma solução total", disse.


Lusa
  • Novo Banco vai reestruturar dívida de Luís Filipe Vieira
    1:22

    Desporto

    O Novo Banco vai reestruturar parte da dívida da empresa de Luís Filipe Vieira, que ronda os 400 milhões de euros. Parte dos ativos da empresa foram transferidos para um fundo para serem rentabilizados no prazo de cinco anos. Esse fundo está a ser gerido pelo vice-presidente do Benfica.

  • Dono de fábrica que ardeu na Anadia diz que produção não vai ser afetada
    2:04
  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espírito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espírito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Tragédia em Vila Nova da Rainha aconteceu há uma semana
    7:18
  • Doze meses de polémicas, ameaças e promessas
    3:52