sicnot

Perfil

Mundo

Não há sobreviventes da queda do A320 nos Alpes

 O secretário de Estado dos Transportes de França, Alain Vidalies, afirmou hoje que "não há nenhum sobrevivente" entre os 148 ocupantes do avião que hoje se despenhou nos Alpes franceses.

© Stringer . / Reuters

A maioria dos 142 passageiros eram cidadãos alemães que regressavam à Alemanha depois de férias em Barcelona e Palma de Maiorca, segundo trabalhadores da Swissport, a empresa de 'handling' que trabalha para a companhia alemã.



Pelo menos 45 passageiros tinham apelido espanhol, segundo o gabinete de crise do governo de Madrid.



"Houve um pedido de ajuda registado às 10:47 (09:47 em Lisboa), que mostrava que o avião estava a 5.000 pés (1.524 metros), numa situação anormal", disse o secretário de Estado, acrescentando que o acidente ocorreu "pouco depois" desse sinal.



O avião, um Airbus A-320 da companhia GermanWings, a filial de baixo custo da companhia alemã Lufthansa, despenhou-se perto de Barcelonnette, cerca de 100 quilómetros a norte de Nice, no sul de França.



Lusa
  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.