sicnot

Perfil

Mundo

Tunísia anuncia prisão de 23 suspeitos de envolvimento no atentado ao museu do Bardo

O Governo da Tunísia anunciou hoje ter desmantelado o essencial da "célula terrorista" responsável pelo ataque ao museu do Bardo apesar de pelo menos quatro suspeitos, dois marroquinos, um argelino e um tunisino, permanecerem em fuga. 

© Anis Mili / Reuters

"Foram presas 23 pessoas, incluindo uma mulher, que integravam uma célula terrorista", disse, em declarações aos 'media', o ministro do Interior, Najem Gharsalli, numa referência ao desmantelamento de "80% desta célula" envolvida no ataque ao museu. 

Todos os detidos são de nacionalidade tunisina. Pelo menos dois marroquinos, um argelino e um tunisino estão em fuga. Este último, Maher Ben Mouldi Kaidi, é acusado de ter fornecido armas automáticas aos dois homens que abateram em 18 de março 21 pessoas, 20 turistas estrangeiros e um polícia, adiantou o mesmo responsável. Os dois assaltantes foram mortos após intervenção de forças especiais tunisinas. 

Por sua vez, o chefe deste grupo, identificado como Mohamed Emine Guebli, terá sido detido. No entanto, o ministro indicou que "a operação terrorista foi dirigida pelo terrorista Lokmane Abou Sakhr", um líder 'jihadista' de nacionalidade argelina e considerado um dos dirigentes do Okba Ibn Nafaa, um grupo filiado na Al-Qaida e perseguido pelo exército há mais de dois anos nas montanhas fronteiriças com a Argélia. 

Desta forma, o ministro questionou a reivindicação do grupo Estado Islâmico (EI), ao considerar que o ataque foi perpetrado pelos seus rivais da Al-Qaida do Magrebe Islâmico (Aqmi). 

O ataque ao museu do Bardo, que suscitou forte reação no país e no exterior, foi o primeiro a provocar vítimas estrangeiras desde 2002, na sequência do atentado suicida de abril contra a sinagoga da Ghriba, ilha de Djerba e que provocou 19 mortos, incluindo 14 turistas alemães. 

A presidência tunisina decidiu organizar no domingo uma marcha internacional "contra o terrorismo" em Tunes, anunciada pelo Presidente Béji Caïd Essebsi durante uma intervenção televisiva na noite de quarta-feira.  

"A Tunísia prossegue o seu combate ao terrorismo, mas também persiste no seu compromisso com as reformas políticas anunciadas", disse o chefe de Estado que, segundo os observadores, representa o único país que garantiu uma transição para uma democracia consolidada na sequência das "primaveras árabes", iniciadas em dezembro de 2010 em solo tunisino. 







Lusa
  • Nascentes do Douro e Tejo estão praticamente secas
    2:55
  • "Para ele, um 'não' não foi suficiente"
    3:39
  • "Diálogos" de Catarina Neves duplamente premiado no festival Muvi
    2:12
  • Isabel II e Filipe de Edimburgo celebram 70 anos de casamento
    0:44

    Mundo

    A rainha Isabel II de Inglaterra e Filipe de Edimburgo celebram hoje 70 anos de casamento. Em dia de comemoração, o Palácio de Buckingham divulgou novas fotografias do casal cuja união é a mais duradora dentro das casas reais. Isabel casou com 21 anos. Seis anos depois foi coroada rainha por ocasião da morte do pai. A rainha e o marido têm quatro filhos, entre eles o herdeiro ao trono, Carlos, oito netos e cinco bisnetos.

  • Um negócio familiar destruído pelas chamas
    8:36