sicnot

Perfil

Mundo

Campanha para eleições legislativas britânicas arranca segunda-feira

Começa oficialmente na segunda-feira a campanha para as eleições legislativas britânicas de 07 de maio, consideradas as mais renhidas das últimas décadas. 

© Stefan Wermuth / Reuters

A data de início da campanha eleitoral coincide com a dissolução formal do Parlamento, que acontece 25 dias úteis antes do escrutínio, embora os trabalhos tenham na prática encerrado na quinta-feira. 


A imigração, a recuperação económica, o sistema de saúde britânico ou as relações com a União Europeia são alguns dos temas mais controversos da agenda política britânica, e que deverão dominar as próximas cinco semanas. 


O líder trabalhista, Ed Miliband, promete "fazer melhor" do que o governo anterior, nomeadamente de investir mais nos serviços de saúde públicos e promover a melhoria das condições de vida dos trabalhadores de classe média e baixa britânicos, ao mesmo tempo que quer controlar a imigração. 


Na quinta-feira à noite, durante uma entrevista televisiva, Miliband garantiu ter fibra para assumir chefiar um governo, rematando: "Caramba, claro que sou forte o suficiente para ser primeiro-ministro". 


Embora nas sondagens individuais a sua popularidade seja inferior à do incumbente, David Cameron, o partido Trabalhista está empatado com o partido Conservador nas intenções de voto, razão pela qual Miliband considera estas "as eleições mais renhidas desta geração".  


O líder conservador, David Cameron, tem feito campanha para completar o trabalho feito nos últimos cinco anos a "dar a volta à economia do país", que o governo estima que irá crescer 2,5% em 2015, mais do que as principais economias ocidentais. 

O atual primeiro ministro prometeu na quinta-feira, na televisão britânica, investir em áreas como a educação e no apoio social, mas reiterou a necessidade de proceder a mais cortes e "eficiências" na administração pública. 


David Cameron mantém também com a promessa de realizar um referendo sobre a permanência do Reino Unido na União Europeia ou o abandono, defendido com fervor pelo Partido para a Independência (UKIP), cuja popularidade tem vindo a subir e ameaça retirar votos aos "tories". 


A fragmentação das intenções de voto afeta também o partido Trabalhista, que arrisca perder a maioria dos deputados na Escócia para os nacionalistas do SNP, os quais querem aumentar a presença na Câmara dos Comuns para poder influenciar o próximo executivo. 


Embora a popularidade dos Liberais Democratas, atualmente no governo de coligação com o partido Conservador, e do partido Verde sejam reduzidas, a falta de uma maioria absoluta pode fazer com que sejam peças essenciais numa nova coligação ou numa aliança que suporte um governo minoritário. 



Lusa
  • "É mais um notável tiro no pé de Passos Coelho"
    4:04

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite, a polémica em torno de Pedro Passos Coelho, depois do presidente do PSD ter pedido desculpas por ter "usado informação não confirmada", ao falar na existência de suicídios, depois desmentidos, como consequência da falta de apoio psicológico na tragédia de Pedrógão Grande. Sousa Tavares considera que Passos Coelho deu "mais um tiro no pé" e defende que o líder da oposição "está notoriamente desgastado" e "caminha para uma tragédia eleitoral autárquica".

    Miguel Sousa Tavares

  • Este texto é sobre o bom senso. O bom senso que faltou a Passos Coelho quando, esta manhã, depois de uma visita pelas áreas ardidas de Pedrógão Grande, decidiu falar em suicídios. Passos não se referiu a tentativas, mas sim a atos consumados. Deu certezas. Disse que tinha conhecimento de “pessoas que puseram termo à vida” porque “que não receberam o apoio psicológico que deviam.”

    Bernardo Ferrão

  • Simplex+2017 promete simplificar burocracia
    1:08

    País

    Já está online o novo Simplex+2017, que vai simplificar a vida dos cidadãos, empresas e administração pública. Pagar impostos com cartão de crédito e ter o cartão de cidadão ou a carta de condução no telemóvel são alguns exemplos do que está previsto.

  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.