sicnot

Perfil

Mundo

Princesa tailandesa dá nome a ilha e atóis depois de férias

A princesa tailandesa Sirivannavari Nariratana, filha do príncipe herdeiro, deu o seu nome a uma ilha e vários atóis no mar de Andaman, depois de visitar as suas praias de águas cristalinas, revelou este sábado a imprensa local.

Sirivannavari Nariratana (na imagem), filha do príncipe Maha Vajralongkorn e da sua primeira mulher, de quem se divorciou em 1993, é conhecida pela sua paixão pelo desenho e pela moda e desportos como badminton e equitação, especialidades onde representou a Tailândia nos Jogos da Ásia. (Arquivo)

Sirivannavari Nariratana (na imagem), filha do príncipe Maha Vajralongkorn e da sua primeira mulher, de quem se divorciou em 1993, é conhecida pela sua paixão pelo desenho e pela moda e desportos como badminton e equitação, especialidades onde representou a Tailândia nos Jogos da Ásia. (Arquivo)

© Alexander Natruskin / Reuters

A ilha de Tachai, parte do arquipélago de Similan, passará a chamar-se Sirivannavari, enquanto vários atóis próximos receberam o nome Nariratana 1, Nariratana 2 e Nariratana 3, revelou o diário Bangkok Post.

A princesa tomou a decisão depois de passar umas férias na ilha há cerca de uma semana, explicou Jeerasak Chookwamdee, diretor geral da administração de conservação da região.

Situada na província de Phangnga, o nome original da ilha provém de um residente local chamado Tachai que a terá descoberto.

Sirivannavari Nariratana, filha do príncipe Maha Vajralongkorn e da sua primeira mulher, de quem se divorciou em 1993, é conhecida pela sua paixão pelo desenho e pela moda e desportos como badminton e equitação, especialidades onde representou a Tailândia nos Jogos da Ásia.

A Tailândia é conhcida também pelas suas águas quentes e límpidas e por praias de areia branca.
Lusa
  • Governo quer reduzir gastos com papel na função pública
    1:08

    Economia

    O Governo proibiu a livre utilização das impressoras pelos funcionários públicos. O ministro das Finanças quer assim reduzir em 20% a despesa em consumo de papel e, ao mesmo tempo, minimizar a perigosidades dos resíduos produzidos com as impressoras, no Estado.