sicnot

Perfil

Mundo

Ataque aéreo mata 45 pessoas em campo de refugiados no Iémen

Um ataque aéreo matou esta segunda feira 45 pessoas e feriu 65 no campo de refugiados de Al-Mazrak, na província de Hajja, no noroeste do Iémen, indicou a Organização Internacional para as Migrações (OIM).

© Stringer . / Reuters

O porta-voz da OIM, Joel Millman, disse à agência de notícias francesa, AFP, que 75 funcionários da organização estão a prestar assistência às vítimas.

Segundo os trabalhadores de organizações humanitárias do campo, o bombardeamento dos caças árabes, que pretendem atingir rebeldes em todo o país, fez dezenas de mortos e, pouco antes, os Médicos Sem Fronteiras (MSF) tinham dado conta de 15 mortos e 30 feridos transportados para um hospital onde a organização opera, perto do campo de Al-Mazrak.

"Foi um ataque aéreo", disse o coordenador do programa dos MSF no Médio Oriente, Pablo Marco.

O campo de Al-Mazrak acolhe, desde 2009, iemenitas deslocados devido ao conflito no país entre os rebeldes Huthi, do norte, e o Governo central.

De acordo com Pablo Marco, 500 novas famílias chegaram ao campo nos últimos dois dias.

Uma coligação liderada pela Arábia Saudita tem estado a bombardear posições rebeldes no Iémen desde a madrugada de quinta-feira e já declarou que prosseguirá os ataques até os rebeldes, apoiados pelo Irão, desistirem da sua insurreição contra o Presidente iemenita, Abedrabbo Mansur Hadi, que se refugiou em Riade.

Os Huthis também são apoiados por unidades do exército iemenita leais ao ex-presidente Ali Abdullah Saleh, que abandonou o poder em 2012, após um ano de sangrentos protestos no país profundamente tribal, onde a Al-Qaida está ativa.

Lusa

  • Família perde tudo na aldeia de Queirã
    2:32
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão