sicnot

Perfil

Mundo

TPI ordena regresso de líder ultranacionalista sérvio à prisão

O Tribunal Penal Internacional para a ex-Jugoslávia (TPIJ) revogou hoje a liberdade provisória do líder ultranacionalista sérvio, Vojislav Seselj, ordenando o regresso à prisão deste acusado de crimes contra a humanidade e de crimes de guerra. 

© Marko Djurica / Reuters

O TPIJ "ordena à câmara do tribunal para anular imediatamente a decisão de colocar Seselj em liberdade provisória e ordena o regresso [do acusado] à unidade de detenção das Nações Unidas" em Haia (Holanda), anunciou a instância internacional, num comunicado.  

Em novembro passado, o tribunal concedeu, sem qualquer restrição, a liberdade provisória a Vojislav Seselj, que regressou à Sérvia para receber tratamento médico contra um cancro. 

Apesar de ter autorizado o regresso de Vojsilav Seselj a Belgrado, a instância não chegou a pronunciar um veredicto.

O TPIJ está a julgar o líder ultranacionalista sérvio há cerca de 12 anos por crimes de guerra na Croácia (1991-95) e na Bósnia (1992-95). 

O ultranacionalista declarou-se como não culpado de nove acusações, que incluem assassínio, tortura, destruição de aldeias e conduta cruel. 

Desde a sua libertação, Vojislav Seselj, de 60 anos, tem assumido uma postura provocatória e atacado verbalmente a instância internacional, prometendo que não irá comparecer diante do TPIJ ou cumprir qualquer sentença.

Cabe agora à polícia sérvia cumprir a deliberação do TPIJ e prender Vojsilav Seselj.

"Esta decisão não me interessa, não vou definitivamente regressar a Haia por minha vontade própria", reagiu Seselj, em declarações à agência francesa AFP, acrescentando que a polícia sérvia ainda não o tinha contactado.

"Esperava que a cavalaria chegasse com grande pompa para me prender, mas ainda não se mostraram", afirmou o líder ultranacionalista sérvio.

Lusa

  • GNR só teve acesso às imagens das agressões em Alcochete 12 horas depois
    1:42

    Crise no Sporting

    A GNR não pôde visionar as imagens de videovigilância da Academia de Alcochete logo que chegou ao local. O sistema estava inoperacional, o que fez com que as imagens só fossem entregues quase 12 horas depois do ataque à equipa do Sporting. Entre as provas recolhidas, estão também impressões digitais e vestígios de sangue encontrados na zona do balneário.

  • Juiz considera que agressões em Alcochete foram "ato terrorista"
    1:59

    Crise no Sporting

    O juiz que decretou a prisão preventiva dos 23 detidos pelo ataque à Academia do Sporting considera que se tratou de um ato terrorista. Diz mesmo que os agressores tiveram um comportamento chocante e que perverte o espírito desportivo. Sete dos 23 detidos já foram condenados por outros crimes, mas não chegaram a pena de prisão.

  • Gonçalo Guedes: o menino franzino que jogava mais que os outros em Benavente
    8:47
  • A promessa que João Mário vai ter de cumprir se Portugal for campeão
    1:36
  • Aprovadas mudanças no acesso ao ensino superior

    País

    O Governo aprovou esta quinta-feira o decreto-lei que estabelece o currículo dos ensinos básico e secundário, bem como os princípios orientadores da avaliação, voltando a nota de Educação Física a contar para a média de acesso ao ensino superior. No caso dos alunos do ensino profissional, são eliminados requisitos considerados discriminatórios no acesso ao ensino superior.

  • Universidade de Coimbra não retira Honoris Causa a Lula
    3:30
  • Estudo acaba com teorias da conspiração sobre a morte de Hitler

    Mundo

    Existem algumas versões sobre o desaparecimento do ditador nazi, Adolf Hitler. Há quem diga que viajou para um país da América do Sul, outros acreditam que está escondido na Antártida e há até quem vá mais longe e acredita que estaria na Lua. Mas, teorias da conspiração à parte, a história oficial diz que Hitler suicidou-se num bunker, em Berlim, Alemanha.

    SIC