sicnot

Perfil

Mundo

Grupo extremista Shebab assume autoria do ataque a universidade no Quénia

O grupo extremista islâmico somali Shebab reivindicou o ataque hoje contra o centro universitário de Garissa, no Quénia, que fez pelo menos 15 mortos.

Soldados quenianos nas imediações da universidade

Soldados quenianos nas imediações da universidade

© Stringer . / Reuters

"O Quénia está em guerra com a Somália (...) Os nossos homens estão ainda no interior e em combate. A sua missão e de matar aqueles que são contra os Shebab", declarou por telefone à agência francesa AFP um porta-voz do grupo islâmico, Cheikh Ali Mohamud Rage. 

Os meios de comunicação e fontes policiais apontam para pelo menos 15 mortos no ataque.

Segundo a Cruz Vermelha, um número indeterminado de estudantes está refém dos atacantes.

O ataque ocorreu por volta das 05:30 locais (03:30 em Lisboa), quando os membros do Shebab entraram nas instalações universitárias, situadas a cerca de 150 quilómetros da fronteira com a Somália, começaram a disparar indiscriminadamente e detonaram vários engenhos explosivos. 

As forças de segurança quenianas lançaram uma operação para capturar os atacantes.


Lusa
  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.