sicnot

Perfil

Mundo

Autoridades filipinas retiram 24 mil pessoas devido à aproximação do tufão Maysak

Cerca de 24 mil pessoas nas Filipinas estavam hoje a ser retiradas da região costeira um dia antes da chegada prevista do tufão Maysak ao nordeste do país, informaram as autoridades locais. 

© Romeo Ranoco / Reuters

Tempestades, inundações e desmoronamento de terras permanecem ameaças potenciais, ainda que o Maysak, que já foi um super-tufão, tenha diminuído de intensidade para ventos máximos de 160 quilómetros por hora, de acordo com as autoridades.

"Planeamos retirar as pessoas das localidades costeiras", disse à AFP Nigel Lontoc, responsável da proteção civil na região. 

No total, cerca de 24.000 pessoas na província costeira de Aurora, onde está previsto o tufão tocar terra na madrugada de domingo, vão ser retiradas, acrescentou a mesma fonte. 

Na semana passada, o vendaval, que se dirige para as Filipinas, levou três dias para atravessar os Estados Confederados da Micronésia - Chuuk, Kosrae, Pohnpei e Yap -- que se situam a norte da Papua Nova Guiné --, cujo Presidente, Manny Mori, apelou à ajuda internacional. 

Nos Estados Confederados da Micronésia, o Maysak causou pelo menos cinco mortos e milhares de desalojados. 

O estado de emergência foi declarado em Chuuk por causa dos estragos causado pelo fenómeno natural.









Lusa
  • Caravana com cinzas de Fidel chega este sábado a Santiago de Cuba
    2:01
  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.