sicnot

Perfil

Mundo

Autoridades filipinas retiram 24 mil pessoas devido à aproximação do tufão Maysak

Cerca de 24 mil pessoas nas Filipinas estavam hoje a ser retiradas da região costeira um dia antes da chegada prevista do tufão Maysak ao nordeste do país, informaram as autoridades locais. 

© Romeo Ranoco / Reuters

Tempestades, inundações e desmoronamento de terras permanecem ameaças potenciais, ainda que o Maysak, que já foi um super-tufão, tenha diminuído de intensidade para ventos máximos de 160 quilómetros por hora, de acordo com as autoridades.

"Planeamos retirar as pessoas das localidades costeiras", disse à AFP Nigel Lontoc, responsável da proteção civil na região. 

No total, cerca de 24.000 pessoas na província costeira de Aurora, onde está previsto o tufão tocar terra na madrugada de domingo, vão ser retiradas, acrescentou a mesma fonte. 

Na semana passada, o vendaval, que se dirige para as Filipinas, levou três dias para atravessar os Estados Confederados da Micronésia - Chuuk, Kosrae, Pohnpei e Yap -- que se situam a norte da Papua Nova Guiné --, cujo Presidente, Manny Mori, apelou à ajuda internacional. 

Nos Estados Confederados da Micronésia, o Maysak causou pelo menos cinco mortos e milhares de desalojados. 

O estado de emergência foi declarado em Chuuk por causa dos estragos causado pelo fenómeno natural.









Lusa
  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.

  • Samsung vai vender modelos reparados do Galaxy Note 7

    Economia

    A Samsung Electronics anunciou hoje que vai vender e alugar telemóveis reparados do modelo Galaxy Note 7 depois de no ano passado a empresa ter decidido suspender a respetiva produção devido a incêndios nas baterrias de íon-lítio.