sicnot

Perfil

Mundo

Espeleólogos espanhóis desaparecidos em Marrocos foram localizados

Os três espeleólogos espanhóis desaparecidos há três dias nas montanhas do Atlas em Marrocos foram localizados hoje de manhã no fundo de uma falésia e estão a ser resgatados, anunciaram as autoridades locais marroquinas.

© Youssef Boudlal / Reuters

Segundo as fontes, membros da polícia, da proteção civil e dois médicos estão envolvidos na operação de salvamento dos espanhóis, na localidade de Tarmest.

Fontes diplomáticas espanholas contactadas pela agência noticiosa EFE disseram que a polícia já estava "ao lado dos três espanhóis", cerca das 11:00 TMG, 12:00 em Lisboa.

Os espeleólogos são dois polícias de 41 anos originários de Granada, um dos quais trabalha em Almeria e outro em Madrid, e um jovem de 26 anos de Cadiz, que viajaram para Marrocos num grupo organizado procedente de Sevilha e composto por nove pessoas.

Os três separaram-se do grupo na segunda-feira, combinando voltar a encontrar-se ainda nesse dia ou no dia seguinte. Não sabendo do seu paradeiro, o chefe da expedição apresentou queixa na polícia na quarta-feira e avisou o consulado.

A zona onde os espeleólogos foram encontrados situa-se num local muito afastado do ponto de encontro combinado.

O maciço do Alto Atlas é muito escarpado e as montanhas ultrapassam os 3.000 metros de altitude.










Lusa
  • Videoamador mostra grupo a atar tocha a um touro
    1:33
  • PJ investiga forma como o FC Porto obteve os e-mails
    1:58

    Desporto

    Enquanto o campeonato português de futebol está de férias do relvado, nos bastidores continua uma guerra aberta por causa dos e-mails. O FC Porto entregou à Polícia Judiciária toda a documentação disponível do chamado caso dos e-mails, que envolve o Benfica num alegado esquema de corrupção. O pedido foi feito pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção da PJ. A forma como o FC Porto obteve os e-mails também está a ser investigada pela Polícia Judiciária.

  • Manifestantes bloquearam Caracas

    Mundo

    Milhares de pessoas bloquearam esta sexta-feira as ruas de Caracas e de outras cidades, em protesto contra a repressão e o assassinato de manifestantes pelas forças de segurança.