sicnot

Perfil

Mundo

Sobrevivente do ataque a universidade no Quénia esteve dois dias escondida num armário

Uma sobrevivente do ataque à Universidade de Garissa, no Quénia, foi hoje descoberta escondida dentro de um armário do edifício, mais de 50 horas depois do ataque que fez 148 mortos, a maioria estudantes, anunciou a Cruz Vermelha.

© Thomas Mukoya / Reuters

"Uma sobrevivente foi encontrada dentro da Universidade" pelas forças de segurança que se encontram no campus universitário, disse à agência de notícias francesa AFP Arnolda Shiundu, responsável pela comunicação da Cruz Vermelha no Quénia.

"Ela estava escondida dentro de um armário", especificou a mesma fonte.

Segundo Arnolda Shiundu a sobrevivente "foi levada para o hospital e está a ser examinada pelos médicos".

De acordo com uma fonte policial em Garissa, a sobrevivente esteve escondida num armário durante dois dias, tendo sido descoberta a meio da manhã de sábado, mais de 50 horas após o início do ataque perpetrado por um comando do grupo radical islâmico somali Al Shabab.

Em comunicado, este grupo ameaçou hoje fazer novos ataques no Quénia se o Governo não retirar as tropas que tem destacadas na Somália.

Na nota, intitulada 'Enterrando as esperanças do Quénia', os autores do atentado que na sexta-feira causou 148 mortos na universidade de Garissa, advertem que a presença do exército queniano na Somália, que acusam de matar civis e bombardear povos, levará a mais represálias contra a população queniana, que responsabilizam por ter elegido o atual Governo.

"Enquanto o vosso Governo persistir no caminho da opressão, pondo em prática políticas repressivas e continuar com a sistemática perseguição de muçulmanos inocentes, os nossos ataques também continuarão", adiantam no comunicado.

O ataque à universidade de Garissa foi o mais mortífero em solo queniano depois do atentado da Al Qaida contra a embaixada norte-americana em Nairobi em 1998, que causou 231 mortos.

No comunicado, cuja autenticidade foi confirmada por um porta-voz do Al Shabab, os islamitas ligados à Al Qaida explicam que no ataque à universidade separaram os muçulmanos dos cristãos para matar apenas estes.

 





Lusa
  • Acidente durante funeral em Miranda do Corvo causa 12 feridos
    2:39

    País

    Um acidente na zona de Miranda do Corvo fez esta terça-feira 12 feridos, um em estado grave. Foi durante um funeral, quando falharam os travões a um dos carros que seguia no cortejo, como explicou, em direto do local, o repórter Miguel Ângelo Marques.

  • Instalações militares vão ter reforço de segurança
    0:52

    Assalto em Tancos

    Depois do caso do roubo de material em Tancos, várias instalações militares vão sofrer um reforço de segurança do material que armazenam. As conclusões sobre o furto dos paióis de Tancos serviram de base às medidas anunciadas esta terça-feira pelo Ministério da Defesa. 

  • SIC faz-se à estrada para ouvir eleitores
    2:13
  • Os elevadores do futuro
    7:13
  • Demências afetam 50 milhões de pessoas
    2:23

    Mundo

    Cinquenta milhões de pessoas em todo o mundo e mais de 150 mil em Portugal sofrem de demências como o Alzheimer ou o Parkinson. Oitenta especialistas de 21 países reúnem-se esta semana na Fundação Champalimau, em Lisboa, para falar deste tipo de epidemia silenciosa.

  • Furacão Maria deixa 25 mil pessoas sem eletricidade em Guadalupe
    2:24
  • Escola na Croácia usa imagem de Melania Trump para chamar alunos

    Mundo

    "Imagine até onde pode ir com um pouco de inglês", foi com estas palavras que uma escola de inglês da Croácia decidiu promover as suas aulas, juntando ainda a fotografia de Melania Trump ao placard do anúncio. Agora, a primeira-dama norte-americana ameaça levar o Instituo Americki a tribunal. Entretanto, o placard já foi retirado do local.

    SIC