sicnot

Perfil

Mundo

Coreia do Norte restringe tráfego marítimo e aéreo para eventual teste de mísseis

A Coreia do Norte declarou uma zona de exclusão para o tráfego marítimo e aéreo na sua costa oriental, um gesto que poderá antecipar a realização de novos testes de mísseis, informaram hoje as Forças Armadas da Coreia do Sul.

© Damir Sagolj / Reuters

A restrição entrou em vigor a 01 de abril em vários pontos do mar do Japão, indicou um oficial do Estado-maior Conjunto sul-coreano à cadeia televisiva estatal KBS.

As Forças Armadas da Coreia do Sul vigiam atentamente os movimentos do exército norte-coreano, disse a mesma fonte, já que poderão ocorrer novos lançamentos de mísseis de curto ou médio alcance para o mar.

A Coreia do Norte não notificou Seul nem a Organização Marítima Internacional relativamente à referida zona de exclusão, garantiu um porta-voz do Ministério da Defesa à agência Efe.

O regime de Kim Jong-un realizou, na passada sexta-feira, um ensaio de mísseis de curto alcance. Contudo, neste caso, os projéteis caíram no Mar Amarelo, que banha a costa ocidental do país.

Acredita-se que Pyongyang possa vir a realizar novos lançamentos de mísseis no mar do Japão como resposta à visita à Coreia do Sul do secretário da Defesa dos Estados Unidos, Ashton Carter, que é esperado na quinta-feira em Seul.

Também se especula que os ensaios de mísseis podem ser um prelúdio do 103.º aniversário do nascimento de Kim Il-sung, avô do atual líder e fundador do país, dado tratar-se de uma efeméride muito importante na Coreia do Norte.


Lusa
  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.