sicnot

Perfil

Mundo

Forças especiais francesas libertam no Mali holandês sequestrado em 2011

As forças especiais francesas libertaram hoje, no norte do Mali, o refém holandês Sjaak Rijke, sequestrado pela Al-Qaeda no Magrebe Islâmico (AQMI) em novembro de 2011, tendo capturado vários terroristas, indicou o Ministério da Defesa francês. 

Soldado francês no Mali.

Soldado francês no Mali.

© Joe Penney / Reuters

A operação decorreu pelas 04:00 TMG (05:00 em Lisboa) no "extremo norte" do Mali e Rijke encontra-se "são e salvo" na base de Tessalit, posto avançado da operação 'Barkhane' das forças franceses no país, de acordo com um comunicado do ministério. 

O holandês foi sequestrado em 25 de novembro de 2011 em Tumbuctu. 

Em finais do ano passado, surgiu num vídeo junto ao francês Serge Lazaveric, libertado em novembro passado, num ponto da fronteira entre o Mali e o Níger. 

"A libertação de Rijke lembra a determinação sem descanso de França na luta contra os grupos terroristas armados na região do Sahel", segundo o ministério. 

No último ano, 500 militares holandeses participam na estabilização e segurança do Mali, no âmbito da Missão Multidimensão Integrada da ONU para a Estabilização do Mali (MINUSMA). 

O ministro da Defesa francês, Jean-Yves Le Drian, informou já a homóloga holandesa, Jeanine Hennis-Plasschaert, referiu o comunicado. 

"A França vai prosseguir as ações antiterroristas no Sahel enquanto a nossa segurança for ameaçada por estes grupos", indicou Drian, citado no mesmo comunicado.

O ministro enviou uma mensagem de felicitações às forças francesas e as de cinco outros países que têm contingentes destacados na operação 'Barkhane", num total de três mil efetivos. 


Lusa
  • "Não se reconstroem serviços públicos em dois anos"
    0:53

    País

    O Ministro da Saúde diz que os problemas do Serviço Nacional de Saúde não se resolvem em dois anos nem se consegue reverter a trajetória de desinvestimento e delapidação dos serviços públicos até 2019, ou até ao final da legislatura. Em entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Adalberto Campos Fernandes admitiu ainda que é contra a eutanásia, mas garante que o SNS estará pronto a aplicar a lei, se assim for decidido pelo Parlamento.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte I)
    35:45

    Operação Marquês

    A acusação da Operação Marquês diz que, em 5 anos, foram pagos quase 36 milhões de euros de luvas a José Sócrates. A maior fatia veio do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público fala em pagamentos por decisões políticas sobre negócios da PT, alegadamente em benefício de Ricardo Salgado. Além de Sócrates, também Zeinal Bava e Henrique Granadeiro terão recebido dezenas de milhões de euros do ex-banqueiro. Nesta primeira parte da reportagem "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês", começamos a seguir do rasto desse dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um director do Grupo Espírito Santo.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte II)
    24:59

    Operação Marquês

    O Ministério Público estima que, em apenas 8 anos, a ES Enterprises movimentou mais de três mil milhões de euros. E sempre à margem de qualquer controlo. Na tese da Operação Marquês, foi desta empresa fantasma que saiu a maior parte das luvas alegadamente pagas por Ricardo Salgado a José Sócrates, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Hélder Bataglia, por causa dos negócio da PT. Na primeira parte da grande reportagem "Oui, Monsieur - o saco azul do marquês" vimos como o chumbo da OPA da SONAE à PT terá sido o primeiro desses negócios.Agora, olhamos para outros pagamentos milionários e procuramos perceber o que está atrás desse alegado saco azul. A investigação concluiu que era financiado através de operações financeiras complexas, por vezes com dinheiro dos clientes do BES.