sicnot

Perfil

Mundo

Obama afirma que Israel enfraquecido seria um fracasso da sua presidência

O Presidente dos Estados Unidos afirmou que um Estado de Israel enfraquecido seria "um fracasso" da sua presidência, deixando clara a solidariedade com o aliado de sempre, apesar das divergências recentes sobre o acordo com o Irão.

© Jonathan Ernst / Reuters

Barack Obama defendeu o acordo quadro sobre o programa nuclear do Irão, alcançado a 02 de abril, apesar de considerar que Israel tem razão em estar preocupado com o inimigo iraniano. 

O presidente americano falava numa entrevista de 45 minutos por vídeo, realizada no sábado e divulgada no domingo, ao jornal The New York Times.  

"Consideraria um fracasso da minha parte, uma falha fundamental da minha presidência, se durante o meu mandato ou como consequência do trabalho que fiz, Israel se tornasse mais vulnerável", sublinhou. 

"Não seria apenas um fracasso estratégico, penso que seria uma falha moral", declarou Obama e acrescentou que nenhum desentendimento entre Israel e os Estados Unidos pode romper a ligação entre as duas nações. 

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, tem denunciado repetidamente o acordo entre Teerão e o grupo dos 5+1 (cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU - Estados Unidos, França, China, Reino Unido, Rússia - e a Alemanha), que considerou "muito mau", argumentando que permitirá ao Irão construir uma infraestrutura nuclear maior. 

Os dois responsáveis também não estão de acordo no processo de paz israelo-palestiniano, com Israel a opôr-se à criação de um Estado palestiniano, enquanto a Casa Branca continua a apoiar uma solução de "dois Estados" para o conflito. 

"Mesmo no meio dos desentendimentos que tenho tido com o primeiro-ministro Netanyahu, quer sobre o Irão, quer sobre a questão palestiniana, tenho afirmado repetidamente que defendemos Israel de forma inabalável", afirmou Obama. 

O presidente norte-americano também defendeu o acordo sobre o programa nuclear do Irão, que prevê uma diminuição das atividades de desenvolvimento nuclear em troca do fim das sanções económicas ocidentais. 

"Não há uma fórmula, não há uma opção para impedir o Irão de obter uma nova arma que seja mais eficaz que a iniciativa e acordo diplomático que conseguimos, e isso é demonstrável", disse ao jornal. 

Mas Obama considerou que Israel tem "o direito de estar preocupada" com o Irão e enviou uma mensagem aos inimigos de Israel.

"O que estamos a fazer, com este acordo, é enviar uma mensagem clara aos iranianos e a toda a região, se alguém perturbar Israel, os Estados Unidos estarão lá", garantiu. 

Sobre as negociações iranianas, Obama afirmou que o líder supremo iraniano 'ayatollah' Ali Khamenei era "muito difícil de perceber" e "suspeitava profundamente do Ocidente". 

"Ele compreende que as sanções que aplicámos enfraqueceram o Irão a longo prazo e, se de facto, queria ver o Irão entrar na comunidade das nações, teriam de acontecer mudanças", acrescentou. 

  • "O que mais tem havido nesta altura são respostas precipitadas"
    7:21

    Opinião

    Foi um "debate contigo" o de hoje, no Parlamento, sobretudo no frente-a-frente entre António Costa e Passos Coelho, na opinião de Bernardo Ferrão. O subdiretor de informação da SIC sublinha uma declaração "mortal" do primeiro-ministro, quando este disse que "ninguém quer respostas precipitadas". Por outro lado, a comissão técnica independente pedida pelo PSD pode virar-se contra o próprio partido.

    Bernardo Ferrão

  • Fuzileiros continuam no terreno a ajudar população
    3:03
  • Cozido ou empanadas chilenas para o jantar?
    5:20

    Taça das Confederações

    Portugal e Chile defrontam-se esta quarta-feira em jogo das meias-finais da Taça das Confederações. O jornalista Gonçalo Azevedo Ferreira fala sobre as previsões da imprensa chilena para o encontro, revela alguns dados sobre as presenças de Portugal e Chile em grandes competições e mostra, através das redes sociais, o lado mais descontraído da antevisão deste duelo.

  • Portugal vai pagar 3.500 milhões ao FMI até agosto
    1:18

    Economia

    Portugal vai pagar, até agosto, 3.500 milhões de euros ao Fundo Monetário Internacional. Mil milhões seguem já na sexta-feira. A antecipação do pagamento foi esta quarta-feira formalmente autorizada pelos parceiros e credores europeus.

  • Trump volta a criticar as chamadas "fake news"

    Mundo

    O Presidente norte-americano voltou a criticar aquilo a que chama de "fake news", em português "notícias falsas". Através da rede social twitter, Donald Trump diz que o jornal New York Times "nem sequer liga para verificar os factos e que, por isso, dá notícias falsas".

  • Família Obama de férias na Indonésia

    Mundo

    Das águas claras de Bali aos encantos dos templos de Java, o antigo Presidente norte-americano Barack Obama levou a esposa e as filhas de férias numa aventura de (re)descobertas por um país onde Obama viveu durante quatro anos da sua infância.

    SIC

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44
  • Desacatos no aeroporto de Faro deixam turistas britânicos em terra
    1:46

    País

    Cinco pessoas, que integravam o grupo de turistas britânicos que nos últimos dias causou desacatos em Albufeira, foram ontem impedidas de regressar a Inglaterra. Agressões no aeroporto e desacatos à entrada do avião levaram os comandantes de dois voos a recusar levar aqueles passageiros.