sicnot

Perfil

Mundo

Presidente da Turquia confirma visita ao Irão apesar das críticas

A Turquia confirmou hoje que o Presidente Recep Tayyip Erdogan estará na terça-feira no Irão, numa altura em que vários políticos iranianos contestam a deslocação do líder turco ao país.

© Edgard Garrido / Reuters

Numa conferência de imprensa, o porta-voz da Presidência turca, Ibrahim Kalin, assegurou que a visita oficial de um dia irá decorrer como planeada e que Erdogan vai repetir em território iraniano "as mensagens a favor da paz na região".

Inicialmente, a visita de Erdogan ao Irão estava agendada para 5 de abril. 

A propósito da atual situação no Iémen, país que enfrenta uma ofensiva liderada pelas milícias rebeldes xiitas huthis, Erdogan acusou recentemente o regime de Teerão de tentar monopolizar a região do Médio Oriente e de tentar impor uma hegemonia xiita nos países vizinhos. 

Em reação a estas declarações, cerca de 65 parlamentares iranianos enviaram uma carta ao Presidente iraniano, Hassan Rohani, a pedir que Teerão impedisse a entrada do líder turco naquele território.

Mansour Haqiqatpour, vice-presidente do comité parlamentar iraniano para a segurança nacional e política externa, chegou a qualificar as declarações de Erdogan como inapropriadas.

"Os parlamentares iranianos, em vez de fazerem populismo, deviam ser sensíveis à aplicação por parte do seu Governo de políticas construtivas para a região", afirmou o porta-voz turco.

O representante de Ancara assegurou ainda que a Turquia apoia uma solução para a crise no Iémen, opondo-se firmemente a qualquer confrontação entre xiitas e sunitas naquele país, como em toda a região. 

Uma aliança internacional liderada pela Arábia Saudita lançou em finais de março uma ofensiva com o objetivo de travar o avanço das milícias xiitas 'huthis' no território iemenita. A coligação integra ainda o Bahrein, Egito, Emirados Árabes Unidos, Jordânia, Kuwait, Marrocos, Qatar, Paquistão e Sudão.

Lusa
  • Porto Editora acusada de discriminação
    2:55
  • "Burlão do amor" acusado de tirar 450 mil euros a amante
    2:21

    País

    Um homem com cerca de 50 anos é acusado de tirar 450 mil euros a uma mulher com quem começou por ter uma relação profissional. Ele pedia, ela emprestava. Anos depois, ela ficou insolvente, com dívidas à banca de 214 mil euros e sem emprego. O homem é arguido, nega a relação amorosa entre ambos, mas admite ter recebido dinheiro dela. Garante, no entanto, que tenciona pagar o que deve.