sicnot

Perfil

Mundo

Cientistas norte-americanos produzem hidrogénio através de biomassa

Cientistas norte-americanos produziram hidrogénio através de um procedimento experimental que pode permitir reduzir significativamente o tempo e custo de produção daquele combustível.

© Yannis Behrakis / Reuters

A descoberta, publicada na revista Proceedings da Academia Nacional de Ciência, pode ajudar a acelerar a chegada de veículos movidos a hidrogénio em grande escala, mais económicos e que não produzem dióxido de carbono, responsável pelo efeito de estufa.

Atualmente, um dos maiores obstáculos para a produção de hidrogénio em grande escala é o elevado custo, porque é produzido através do gás natural. A distribuição para utilizadores de veículos a hidrogénio é outro desafio.

Os pesquisadores do Instituto de Tecnologia da Virgínia, nos Estados Unidos, desenvolveram um processo biológico que utiliza enzimas para produzir hidrogénio mais rapidamente a partir da glicose e da xilose, açúcares abundantes nos caules de espigas de milho e nas cascas.

Para obter aqueles açúcares, os investigadores utilizaram um cocktail de enzimas comerciais.

Através de um programa informático, os cientistas conseguiram determinar as enzimas (moléculas que aceleram milhões de vezes as reações químicas do metabolismo) que permitem obter mais hidrogénio a partir daquela biomassa.

 Triplicou-se a taxa de produção de hidrogénio em comparação com as taxas obtidas, utilizando concentrações 'standard', informaram os pesquisadores.

"Isto significa que conseguimos produzir hidrogénio verde barato a partir da biomassa local", afirmou Percival Zhang, professor do Departamento de Engenharia dos Sistemas Biológicos do Instituto de Tecnologia da Virgínia.

A equipa informou que já recebeu fundos para a produção em escala industrial.

"Embora seja difícil, neste fase, prever o custo de produção em grande escala, esta nova tecnologia representa uma abordagem revolucionária que oferece muitas vantagens", disse o diretor do centro de combustíveis renováveis da Universidade da Florida, que não esteve envolvida na pesquisa.

Ao contrário de outros métodos de produção que dependem do grau de transformação dos açúcares, os pesquisadores usam resíduos de biomassa.

O projeto de investigação foi financiado pela Shell e pela Fundação Nacional de Ciência dos Estados Unidos.



Lusa
  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.