sicnot

Perfil

Mundo

Vulcão na Costa Rica lança rochas em chamas e cinza

O vulcão Turrialba, na Costa Rica, entrou esta terça-feira de madrugada em erupção, lançando rochas em chamas e expelindo uma coluna de cinza que atingiu a capital, situada a 80 quilómetros de distância, indicaram as autoridades.

O vulcão Turrialba, que entrou em atividade na década de 1990 depois de ter estado adormecido durante 130 anos, tem registado um elevado nível de atividade desde 29 de outubro passado, data em que teve uma forte erupção.

O vulcão Turrialba, que entrou em atividade na década de 1990 depois de ter estado adormecido durante 130 anos, tem registado um elevado nível de atividade desde 29 de outubro passado, data em que teve uma forte erupção.

© Juan Carlos Ulate / Reuters

Uma câmara de vigilância apontada para o vulcão captou a erupção, precisou o observatório da Universidade Nacional.

As imagens de vídeo mostram a expulsão de rochas e cinza e a emissão de gás.

No início de março, uma erupção do vulcão, que tem a altura de 3340 metros, obrigou ao encerramento do principal aeroporto da Costa Rica durante quase dois dias.

O vulcão Turrialba, que entrou em atividade na década de 1990 depois de ter estado adormecido durante 130 anos, tem registado um elevado nível de atividade desde 29 de outubro passado, data em que teve uma forte erupção.
Lusa
  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.