sicnot

Perfil

Mundo

Doente terminal russo quer submeter-se a um transplante de cabeça

Um doente russo com atrofia muscular espinal, uma grave doença degenerativa de origem genética, quer submeter-se a uma intervenção cirúrgica pioneira em que a sua cabeça seria transplantada para um corpo saudável, divulgaram hoje os "media" russos. 

© Keith Bedford / Reuters

Segundo a comunicação social russa, o paciente, um programador identificado como Valeri Spiridonov, terá entrado em contacto com o controverso médico italiano Sergio Canavero, que acredita que será tecnicamente possível realizar esta intervenção cirúrgica em 2016. 

"Esta é a minha decisão final e não penso mudar. Medo? Claro que tenho, mas se não tentar, o meu futuro pode ser ainda pior", afirmou o doente, de 30 anos. 

O programador russo comparou este procedimento cirúrgico com a conquista do espaço: "Esta experiência é um grande avanço científico que está ao mesmo nível do voo de [Yuri] Gagarin [o cosmonauta russo que foi o primeiro homem a ir ao espaço]", disse Valeri Spiridonov, em declarações à televisão russa Zvezda. 

O tempo joga contra Spiridonov, que piora a cada dia que passa e que já superou a esperança de vida normalmente atribuída às pessoas que sofrem desta doença, marcada pela degeneração do neurónio motor medular e pela perda gradual de massa muscular.

Em declarações à agência russa Interfax, Valeri Spiridonov afirmou que recebeu um convite para participar numa conferência internacional de neurocirurgiões em Illinois, nos Estados Unidos, este verão. 

"Recebi o convite do doutor Canavero, que concorda em realizar a operação. Agora o importante é encontrar os meios necessários", referiu. 

Spiridonov disse ainda que está preparado psicologicamente para fazer a intervenção, uma vez que tem recebido o acompanhamento necessário, incluindo da mãe que é psicóloga.

O italiano Sergio Canavero pretende reunir uma equipa de 150 médicos e enfermeiras para realizar a operação cirúrgica, que deverá custar mais de 10,3 milhões de euros. 

A única referência que existe sobre uma operação com contornos idênticos remonta à década de 1970, quando o médico Robert White, da Universidade de Medicina Case Western Reserve (Estados Unidos), transplantou a cabeça de um macaco para o corpo de um outro macaco.

O animal acabou por morrer oito dias depois da intervenção cirúrgica.


Lusa

  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.