sicnot

Perfil

Mundo

Indonésia adia execução de condenados, incluindo de um brasileiro

A Procuradoria indonésia anunciou hoje que a próxima execução de vários condenados à morte por tráfico de droga, incluindo de um brasileiro, vai ser adiada para depois do Congresso Ásia-África, previsto para o final do mês.

O brasileiro Rodrigo Gularte, 42 anos, foi condenado à morte na Indonésia (EFE/ Arquivo)

O brasileiro Rodrigo Gularte, 42 anos, foi condenado à morte na Indonésia (EFE/ Arquivo)

Efe

"A próxima celebração do congresso Ásia-África é a principal razão para a suspensão", disse o porta-voz da Procuradoria, Tonny T. Spontana, que inicialmente tinha indicado que a execução realizar-se-ia em abril, informa o jornal The Jakarta Post.

 

O cidadão brasileiro Rodrigo Gularte, detido em 2004 com seis quilos de cocaína escondidos em pranchas de surf, e condenado no ano seguinte, 2005, figura entre os 11 presos no corredor da morte, à espera de enfrentar o pelotão de fuzilamento.

 

As autoridades não querem levar a cabo as execuções enquanto estiverem na Indonésia os líderes africanos e asiáticos que vão assistir ao congresso e comemorar o 60.º aniversário da Conferência de Bandung, entre 18 e 24 de abril.

 

Apesar dos pedidos de clemência por parte dos países de origem dos condenados, como a Austrália, Brasil e França, o Presidente indonésio, Joko Widodo, reiterou a firmeza do seu Governo contra o tráfico de droga e rejeitou todos os apelos.

 

Em janeiro, a Indonésia executou seis traficantes de droga, incluindo o brasileiro Marco Archer Cardoso Moreira, o que causou uma crise diplomática entre a Indonésia e o Brasil.

 

A Indonésia, que retomou as execuções em 2013 depois de cinco anos de moratória, tem 133 prisioneiros no corredor da morte, dos quais 57 condenados por tráfico de droga, dois por terrorismo e 74 por outros crimes.

 

 Lusa

 

 

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.