sicnot

Perfil

Mundo

Ministro da Defesa da Eslovénia forçado a demitir-se

O ministro da Defesa da Eslovénia, Janko Veber, foi obrigado pelo parlamento a demitir-se esta quinta-feira, no contexto de um escândalo ligado à privatização da empresa pública Telekom, que tinha provocado o caos na coligação governamental.

Veber foi levado a demitir-se depois de uma votação no parlamento, com 68 votos a favor da sua saída do Governo, contra 11, num total de 90 deputados, alguns dias depois de se ter recusado a sair do cargo. (Arquivo)

Veber foi levado a demitir-se depois de uma votação no parlamento, com 68 votos a favor da sua saída do Governo, contra 11, num total de 90 deputados, alguns dias depois de se ter recusado a sair do cargo. (Arquivo)

© Srdjan Zivulovic / Reuters

Veber foi levado a demitir-se depois de uma votação no parlamento, com 68 votos a favor da sua saída do Governo, contra 11, num total de 90 deputados, alguns dias depois de se ter recusado a sair do cargo. 

O primeiro-ministro, Miro Cerar, tinha exigido a demissão do ministro, depois das revelações feitas por uma comissão parlamentar sobre um inquérito que tinha solicitado aos serviços de informações militares, sobre o impacto da privatização em curso da operadora pública de telecomunicações na segurança do Estado.

"Pedi ao parlamento que lhe retirasse a confiança porque cometeu faltas graves e fez coisas ilegais no domínio da segurança", afirmou Cerar à imprensa depois da votação. 

O partido dos social-democratas, parceiro da coligação governamental, votou contra a pretensão do primeiro-ministro, mas adiantou que poderia propor um outro candidato para o posto. 

A Eslovénia lançou em 2013 um vasto programa de privatizações depois de ter roçado a falência, mas a vendas as empresas públicas dividiu profundamente esta pequena república alpina que integra a União Europeia.  
Lusa
  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18