sicnot

Perfil

Mundo

Obama fala em aproximação a Cuba e rejeita silêncio sobre a Venezuela

O Presidente norte-americano defendeu hoje que as "mudanças históricas" na política com Cuba já estão a produzir resultados e que nem o seu país, nem o resto da região devem "manter silêncio" sobre a situação na Venezuela.

Arquivo

Arquivo

© Kai Pfaffenbach / Reuters

"Não exagero ao dizer que a nossa relação com o continente americano é a melhor que tivemos em muitas décadas", sublinhou Barack Obama, em entrevista exclusiva à agência espanhola Efe, antes de viajar para o Panamá para participar, a 10 e 11 de abril, na VII Cimeira das Américas.

Além de abordar as relações de Washington com Cuba e a Venezuela, Obama reiterou o seu compromisso com os países da América Central, para resolver os problemas que desencadeiam a emigração para o norte do continente, e com a reforma migratória nos Estados Unidos, para regularizar a situação de milhões de ilegais.

O chefe de Estado norte-americano adiantou igualmente que aproveitará a Cimeira do Panamá para impulsionar a competitividade e o comércio em todo o continente, como forma de reduzir o fosso entre ricos e pobres.

"Temos assistido a um aumento no contacto entre o povo de Cuba e dos Estados Unidos, e o entusiasmo do povo cubano perante estas mudanças demonstra que estamos no caminho certo", sublinhou.

Segundo Obama, após o histórico anúncio de normalização das relações diplomáticas, feito em dezembro, os diálogos bilaterais empreendidos com Cuba constituem "as negociações mais intensas e de mais alto nível das últimas décadas" entre os dois países.

"Os nossos diplomatas estão a fazer progressos significativos e estou convencido de que poderemos levar adiante a reabertura das nossas respetivas embaixadas", afirmou, na entrevista por escrito à Efe.

Contudo, o Presidente observou que tal reabertura é "apenas uma parte" do processo de normalização das relações diplomáticas, cortadas desde 1961, e que os Governos de Washington e Havana já iniciaram conversações sobre outros temas, como a aviação civil, direitos humanos e telecomunicações.

Frisou também, por outro lado, que o seu Governo e o da ilha continuam a ter "divergências significativas" sobre assuntos relacionados com os direitos humanos, e acrescentou que os Estados Unidos "sempre apoiarão os valores universais como a liberdade de expressão e a liberdade de reunião".

"Durante a Cimeira das Américas, vou reunir-me com líderes da sociedade civil de toda a região, incluindo Cuba", referiu.

Quanto à Venezuela, Obama considerou que nem os Estados Unidos nem o continente devem "manter silêncio" perante a situação naquele país, que atualmente enfrenta "enormes desafios" e com cujo Governo Washington continua aberto ao "diálogo direto".

"Não cremos que a Venezuela seja uma ameaça para os Estados Unidos, e os Estados Unidos não são uma ameaça para o Governo da Venezuela, mas continuamos muito preocupados pela forma como o Governo venezuelano continua a esforçar-se por intimidar os seus adversários políticos, incluindo detenções e acusações por motivos políticos de representantes eleitos, e a erosão contínua dos direitos humanos", sublinhou.

A ordem executiva com que Obama autorizou em março sanções a membros do Governo de Nicolás Maduro e declarou a Venezuela "uma ameaça" para a segurança dos Estados Unidos agravou as já conflituosas relações bilaterais.

Mas os dois Governos deram na quarta-feira um passo que pode ajudar a reduzir as tenções em vésperas da Cimeira do Panamá, com a reunião em Caracas entre o alto conselheiro do departamento de Estado norte-americano Thomas Shannon e a chefe da diplomacia venezuelana, Delcy Rodríguez, que foi o encontro bilateral ao mais alto nível em anos.

Na opinião do Presidente norte-americano, o "diálogo interno" para encontrar "uma solução política para as divisões que fragmentam a sociedade venezuelana" é o "melhor caminho" para aquele país latino-americano.

Lusa

  • "Nos últimos 14 anos alertámos que este dia iria voltar"
    3:50

    País

    O vice-presidente da Câmara de Mação diz que se sente humilhado com o recurso a meios espanhóis para o combate ao fogo no concelho. Em entrevista à SIC, António Louro, que é também engenheiro florestal, critica os vários governos e afirma que nada disto teria acontecido se tivessem ouvido os apelos desesperados da autarquia depois do incêndio que, em 2003, destruiu grande parte do concelho.

  • Marcelo lembra ditadura para deixar elogios à liberdade de imprensa e separação de poderes
    0:29
  • André Ventura rejeita acusações de xenofobia
    1:27

    País

    O candidato do PSD à Câmara de Loures diz que tocou num tema que as pessoas queriam discutir. Entrevistado na SIC Notícias, André Ventura insiste que as declarações que fez sobre a comunidade cigana não são xenófobas ou racistas.

  • Rajoy nega conhecimento de financiamentos ilegais no PP

    Mundo

    O primeiro-ministro espanhol negou hoje ter conhecimento de um esquema ilegal de financiamento, que envolve vários responsáveis do Partido Popular (PP, direita), que lidera. Durante uma audição no tribunal, Mariano Rajoy garantiu ainda que não aceitou nenhum pagamento ilícito.