sicnot

Perfil

Mundo

Obama fala em aproximação a Cuba e rejeita silêncio sobre a Venezuela

O Presidente norte-americano defendeu hoje que as "mudanças históricas" na política com Cuba já estão a produzir resultados e que nem o seu país, nem o resto da região devem "manter silêncio" sobre a situação na Venezuela.

Arquivo

Arquivo

© Kai Pfaffenbach / Reuters

"Não exagero ao dizer que a nossa relação com o continente americano é a melhor que tivemos em muitas décadas", sublinhou Barack Obama, em entrevista exclusiva à agência espanhola Efe, antes de viajar para o Panamá para participar, a 10 e 11 de abril, na VII Cimeira das Américas.

Além de abordar as relações de Washington com Cuba e a Venezuela, Obama reiterou o seu compromisso com os países da América Central, para resolver os problemas que desencadeiam a emigração para o norte do continente, e com a reforma migratória nos Estados Unidos, para regularizar a situação de milhões de ilegais.

O chefe de Estado norte-americano adiantou igualmente que aproveitará a Cimeira do Panamá para impulsionar a competitividade e o comércio em todo o continente, como forma de reduzir o fosso entre ricos e pobres.

"Temos assistido a um aumento no contacto entre o povo de Cuba e dos Estados Unidos, e o entusiasmo do povo cubano perante estas mudanças demonstra que estamos no caminho certo", sublinhou.

Segundo Obama, após o histórico anúncio de normalização das relações diplomáticas, feito em dezembro, os diálogos bilaterais empreendidos com Cuba constituem "as negociações mais intensas e de mais alto nível das últimas décadas" entre os dois países.

"Os nossos diplomatas estão a fazer progressos significativos e estou convencido de que poderemos levar adiante a reabertura das nossas respetivas embaixadas", afirmou, na entrevista por escrito à Efe.

Contudo, o Presidente observou que tal reabertura é "apenas uma parte" do processo de normalização das relações diplomáticas, cortadas desde 1961, e que os Governos de Washington e Havana já iniciaram conversações sobre outros temas, como a aviação civil, direitos humanos e telecomunicações.

Frisou também, por outro lado, que o seu Governo e o da ilha continuam a ter "divergências significativas" sobre assuntos relacionados com os direitos humanos, e acrescentou que os Estados Unidos "sempre apoiarão os valores universais como a liberdade de expressão e a liberdade de reunião".

"Durante a Cimeira das Américas, vou reunir-me com líderes da sociedade civil de toda a região, incluindo Cuba", referiu.

Quanto à Venezuela, Obama considerou que nem os Estados Unidos nem o continente devem "manter silêncio" perante a situação naquele país, que atualmente enfrenta "enormes desafios" e com cujo Governo Washington continua aberto ao "diálogo direto".

"Não cremos que a Venezuela seja uma ameaça para os Estados Unidos, e os Estados Unidos não são uma ameaça para o Governo da Venezuela, mas continuamos muito preocupados pela forma como o Governo venezuelano continua a esforçar-se por intimidar os seus adversários políticos, incluindo detenções e acusações por motivos políticos de representantes eleitos, e a erosão contínua dos direitos humanos", sublinhou.

A ordem executiva com que Obama autorizou em março sanções a membros do Governo de Nicolás Maduro e declarou a Venezuela "uma ameaça" para a segurança dos Estados Unidos agravou as já conflituosas relações bilaterais.

Mas os dois Governos deram na quarta-feira um passo que pode ajudar a reduzir as tenções em vésperas da Cimeira do Panamá, com a reunião em Caracas entre o alto conselheiro do departamento de Estado norte-americano Thomas Shannon e a chefe da diplomacia venezuelana, Delcy Rodríguez, que foi o encontro bilateral ao mais alto nível em anos.

Na opinião do Presidente norte-americano, o "diálogo interno" para encontrar "uma solução política para as divisões que fragmentam a sociedade venezuelana" é o "melhor caminho" para aquele país latino-americano.

Lusa

  • Tomadas medidas para evitar danos ambientais após acidente na barra da Armona
    1:49

    País

    Quatro tripulantes foram transportados para o hospital com hipotermia, depois de terem caído ao mar. A embarcação onde seguiam, e que faz trabalhos de reposição de areias, virou-se esta manhã, na ilha da Armona, em Olhão. As autoridades vão abrir um inquérito para apurar as causas do acidente e estão a tomar medidas para evitar danos ambientais, visto que a embarcação transportava 12 mil litros de gasóleo.

  • Papa no Chile em ambiente de contestação à Igreja Católica
    3:13

    Mundo

    O Papa pediu hoje perdão pelos crimes de pedofilia cometidos por membros da Igreja Católica no Chile, referindo que sentiu "dor e vergonha" diante do "dano irreparável" causado às crianças vítimas de abuso sexual. Francisco está a cumprir uma deslocação de três dias ao Chile, onde a contestação à visita e à Igreja se faz sentir. O Papa enfrenta um ambiente hostil na sexta viagem à América Latina, devido à denúncia de abusos sexuais na Igreja.

  • Reviravolta na Operação Fizz
    1:09

    País

    O juiz que vai julgar o chamado processo da Operação Fizz decidiu aceitar as denúncias de Orlando Figueira contra o presidente do Banco Atlântico e o advogado Daniel Proença de Carvalho. As acusações do principal arguido contra o banqueiro Carlos Silva e o advogado Proença de Carvalho podem trazer uma reviravolta ao processo.

  • Apoio psicológico fundamental em Vila Nova da Rainha
    2:19
  • Projeto Bairros Sem Cárie levou 300 pessoas do Seixal ao dentista
    3:08

    País

    Portugal tem dos piores indicadores de saúde oral da Europa e ir ao dentista é quase um luxo. Num país assim ganham ainda mais relevância iniciativas como o projeto Bairros Sem Cárie. 300 pessoas de bairros sociais do Seixal tiveram uma consulta de estomatologia gratuita.

  • Homem rompe a garganta ao tentar impedir espirro

    Mundo

    Impedir um espirro apertando o nariz pode causar sérias lesões. Foi o que aconteceu a um homem na Grã-Bretanha que teve de ser hospitalizado porque sofreu uma rutura na garganta ao apertar boca e nariz ao espirrar.