sicnot

Perfil

Mundo

Obama fala em aproximação a Cuba e rejeita silêncio sobre a Venezuela

O Presidente norte-americano defendeu hoje que as "mudanças históricas" na política com Cuba já estão a produzir resultados e que nem o seu país, nem o resto da região devem "manter silêncio" sobre a situação na Venezuela.

Arquivo

Arquivo

© Kai Pfaffenbach / Reuters

"Não exagero ao dizer que a nossa relação com o continente americano é a melhor que tivemos em muitas décadas", sublinhou Barack Obama, em entrevista exclusiva à agência espanhola Efe, antes de viajar para o Panamá para participar, a 10 e 11 de abril, na VII Cimeira das Américas.

Além de abordar as relações de Washington com Cuba e a Venezuela, Obama reiterou o seu compromisso com os países da América Central, para resolver os problemas que desencadeiam a emigração para o norte do continente, e com a reforma migratória nos Estados Unidos, para regularizar a situação de milhões de ilegais.

O chefe de Estado norte-americano adiantou igualmente que aproveitará a Cimeira do Panamá para impulsionar a competitividade e o comércio em todo o continente, como forma de reduzir o fosso entre ricos e pobres.

"Temos assistido a um aumento no contacto entre o povo de Cuba e dos Estados Unidos, e o entusiasmo do povo cubano perante estas mudanças demonstra que estamos no caminho certo", sublinhou.

Segundo Obama, após o histórico anúncio de normalização das relações diplomáticas, feito em dezembro, os diálogos bilaterais empreendidos com Cuba constituem "as negociações mais intensas e de mais alto nível das últimas décadas" entre os dois países.

"Os nossos diplomatas estão a fazer progressos significativos e estou convencido de que poderemos levar adiante a reabertura das nossas respetivas embaixadas", afirmou, na entrevista por escrito à Efe.

Contudo, o Presidente observou que tal reabertura é "apenas uma parte" do processo de normalização das relações diplomáticas, cortadas desde 1961, e que os Governos de Washington e Havana já iniciaram conversações sobre outros temas, como a aviação civil, direitos humanos e telecomunicações.

Frisou também, por outro lado, que o seu Governo e o da ilha continuam a ter "divergências significativas" sobre assuntos relacionados com os direitos humanos, e acrescentou que os Estados Unidos "sempre apoiarão os valores universais como a liberdade de expressão e a liberdade de reunião".

"Durante a Cimeira das Américas, vou reunir-me com líderes da sociedade civil de toda a região, incluindo Cuba", referiu.

Quanto à Venezuela, Obama considerou que nem os Estados Unidos nem o continente devem "manter silêncio" perante a situação naquele país, que atualmente enfrenta "enormes desafios" e com cujo Governo Washington continua aberto ao "diálogo direto".

"Não cremos que a Venezuela seja uma ameaça para os Estados Unidos, e os Estados Unidos não são uma ameaça para o Governo da Venezuela, mas continuamos muito preocupados pela forma como o Governo venezuelano continua a esforçar-se por intimidar os seus adversários políticos, incluindo detenções e acusações por motivos políticos de representantes eleitos, e a erosão contínua dos direitos humanos", sublinhou.

A ordem executiva com que Obama autorizou em março sanções a membros do Governo de Nicolás Maduro e declarou a Venezuela "uma ameaça" para a segurança dos Estados Unidos agravou as já conflituosas relações bilaterais.

Mas os dois Governos deram na quarta-feira um passo que pode ajudar a reduzir as tenções em vésperas da Cimeira do Panamá, com a reunião em Caracas entre o alto conselheiro do departamento de Estado norte-americano Thomas Shannon e a chefe da diplomacia venezuelana, Delcy Rodríguez, que foi o encontro bilateral ao mais alto nível em anos.

Na opinião do Presidente norte-americano, o "diálogo interno" para encontrar "uma solução política para as divisões que fragmentam a sociedade venezuelana" é o "melhor caminho" para aquele país latino-americano.

Lusa

  • Mosquito transmissor da dengue detetado em Portugal

    País

    Uma espécie de mosquito que é transmissor do vírus da dengue foi identificado pela primeira vez em Portugal, na região Norte do país, anunciou esta quarta-feira a Direção-geral da Saúde (DGS) e o Instituto Doutor Ricardo Jorge.

  • Marcelo não comenta proposta sobre nomeação do governador do BdP
    0:14

    Economia

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar a proposta do grupo de trabalho para a reforma da supervisão financeira, que recomenda que o governador do Banco de Portugal seja nomeado pelo Presidente da República. Marcelo não quis comentar o assunto esta quarta-feira durante a tomada de posse do Reitor da Universidade de Lisboa.

  • Governo prepara projeto para suavizar transição para a reforma
    1:38

    Economia

    O Governo quer suavizar a transição do trabalho para a reforma. A ideia é que essa passagem seja feita gradualmente e não de um dia para o outro, o que pode ser mais traumático. O projeto prevê a possilidade de o trabalhador cumprir meio horário e acumular com meia pensão.

  • Portugal pode perder parte dos fundos comunitários
    2:21

    Economia

    Portugal arrisca-se a perder parte dos fundos comunitários atribuídos ao país, se não acelerar a execução dos programas que têm comparticipação de Bruxelas. A notícia é avançada pelo jornal Público, que revela que o país ainda está longe de cumprir as metas mínimas. O Executivo desdramatiza e acredita que serão cumpridas até ao final do ano. O Governo diz mesmo que Portugal deverá ser um dos países com melhores taxas de execução.

  • Habitantes da favela da Rocinha temem novo episódio violento
    2:54

    Mundo

    Localizada no Rio de Janeiro, a Rocinha, maior favela do Brasil, foi palco de um tiroteio entre traficantes, no último fim de semana. Agora, pelo terceiro dia consecutivo, a polícia do Rio de Janeiro está a fazer um cerco em algumas favelas cariocas à procura de traficantes. A comunidade está assustada e receia que episódios violentos como este se repitam.