sicnot

Perfil

Mundo

Poucos progressos na missão de 15 anos da Unesco "Educação para todos"

Todas as crianças do mundo com educação escolar em 2015? Missão não cumprida, revela hoje a Unesco, que lançou o projeto "Educação para todos" no ano 2000. O relatório anual revela alguns progressos, mas o balanço é claramente dececionante. Apenas 1/3 dos 164 países atingiram os objetivos.

© Stringer . / Reuters

O principal objetivo que os 164 países se determinaram a atingir em 2000 em Dakar - instruir todas as crianças no ensino primário - foi conseguido por metade dos países (52%). Há 10% que se aproximaram do objetivo enquanto 9% estão demasiado longe de qualquer sucesso. É o caso dos países em conflito e guerras. Bem como países da África subsariana, o Iémen ou o Paquistão.

Um terço das crianças privadas de escola vivem em zonas de conflito, fenómeno que se agravou a partir de 2000 e que afeta particularmente as raparigas. Na Síria, por exemplo, muitos receiam a existência de uma "geração perdida". No final de 2013, 2,2 milhões de crianças sírias em idade escolar (de um total de 4,8 milhões) não frequentavam a escola.

Na Nigéria, onde mais de 200 raparigas que frequentavam a escola foram raptadas pelo grupo islâmico Boko Haram, são frequentes os ataques contra os estabelecimentos escolares.

Há no entanto países que, contra todas as expectativas, realizaram enormes progressos, como a Serra Leoa que, depois de 11 anos de conflito, conseguiu desde 2005 duplicar o número de crianças a ir à escola e reduzir o trabalho infantil.

"Ensino gratuito para todos"

Em 15 anos, "o mundo alcançou importantes progressos", considera a diretora-geral da Unesco,  Irina Bokova."Há mais uns milhões de crianças que estão escolarizadas em comparação com as estimativas que eram feitas em 1995". O número de crianças e adolescentes não escolarizados diminuiu 84 milhões, entre os quais, 52 milhões de raparigas.

Diferentes políticas permitiram este progresso: a abolição de pagamento de inscrição - Etiópia, Gana, Quénia, Malawi, Tanzânia, Burundi e Uganda -, campanhas para a educação das raparigas - Tajiquistão -, construção de escola - Moçambique -, refeições nas escolas - em 32 países da África subsariana. 

"Mas a tarefa está longe de estar concluída. Faltam-nos estratégias específicas, bem financiadas, que dêm prioridade aos mais pobres - e em particular às raparigas - que melhorem a qualidade do ensino (...) de modo a que a educação se torne verdadeiramente universal", alerta  Irina Bokova.

Em 2015, há 57 milhões de crianças e 63 milhões de adolescentes que não vão à escola.

  • Biológicos nas escolas e nos telemóveis

    País

    O Governo vai criar o Dia Nacional da Alimentação Biológica e uma estratégia que passa por distribuir produtos biológicos nas escolas e criar uma aplicação móvel para os portugueses poderem localizar unidades de produção ou comercialização de produtos biológicos, segundo a Estratégia Nacional que será hoje apresentada.

  • Primeiro-ministro holandês liga a Costa para explicar palavras de Dijsselbloem
    2:23

    País

    António Costa pediu que Djisselbloem desaparecesse da Presidência do Eurogrupo. Após esta tomada de posição, o primeiro-ministro holandês ligou para Costa na semana passada a dar explicações. Contudo, o primeiro-ministro português não recua e volta a dizer que Dijsselbloem não tem condições para continuar, na sequência das declarações sobre copos e mulheres. Os eurodeputados do Partido Popular Europeu reforçaram também esta terça-feira o pedido de demissão.

  • Surto de hepatite A em Portugal
    2:45

    País

    Há um surto de hepatite A em Portugal. Desde janeiro, 105 pessoas foram diagnosticadas na região de Lisboa e Vale do Tejo, um número superior aos casos contabilizados em todo o país nos últimos 40 anos. O surto terá começado na Holanda e está a atingir quase toda a Europa.

  • Abertura da lagoa de Santo André atrai surfistas e bodyboarders
    4:15
  • Novo vídeo do Daesh mostra crianças a treinar para matar
    3:35
  • Kennedy acreditava que Hitler estava vivo

    Mundo

    Um diário de John F. Kennedy vai a leilão em Boston, nos Estados Unidos da América. O diário foi escrito durante a sua breve carreira como jornalista, depois da 2.ª Guerra Mundial. No livro, foram expostas algumas teorias do antigo Presidente norte-americano, como a possibilidade de Hitler estar vivo.

    Ana Rute Carvalho

  • Trump propõe cortes orçamentais para pagar muro

    Mundo

    O Presidente dos Estados Unidos está a propor cortes de milhões de dólares no orçamento para que os contribuintes norte-americanos, e não o México, paguem o muro a construir na fronteira entre os dois países.

  • Tecnologia permite a tetraplégico mexer mão e braço

    Mundo

    Um homem que ficou tetraplégico num acidente voltou a mover-se com a ajuda da tecnologia e apenas usando o pensamento, num projeto de investigadores dos Estados Unidos divulgado esta terça-feira na revista especializada em medicina The Lancet.