sicnot

Perfil

Mundo

Poucos progressos na missão de 15 anos da Unesco "Educação para todos"

Todas as crianças do mundo com educação escolar em 2015? Missão não cumprida, revela hoje a Unesco, que lançou o projeto "Educação para todos" no ano 2000. O relatório anual revela alguns progressos, mas o balanço é claramente dececionante. Apenas 1/3 dos 164 países atingiram os objetivos.

© Stringer . / Reuters

O principal objetivo que os 164 países se determinaram a atingir em 2000 em Dakar - instruir todas as crianças no ensino primário - foi conseguido por metade dos países (52%). Há 10% que se aproximaram do objetivo enquanto 9% estão demasiado longe de qualquer sucesso. É o caso dos países em conflito e guerras. Bem como países da África subsariana, o Iémen ou o Paquistão.

Um terço das crianças privadas de escola vivem em zonas de conflito, fenómeno que se agravou a partir de 2000 e que afeta particularmente as raparigas. Na Síria, por exemplo, muitos receiam a existência de uma "geração perdida". No final de 2013, 2,2 milhões de crianças sírias em idade escolar (de um total de 4,8 milhões) não frequentavam a escola.

Na Nigéria, onde mais de 200 raparigas que frequentavam a escola foram raptadas pelo grupo islâmico Boko Haram, são frequentes os ataques contra os estabelecimentos escolares.

Há no entanto países que, contra todas as expectativas, realizaram enormes progressos, como a Serra Leoa que, depois de 11 anos de conflito, conseguiu desde 2005 duplicar o número de crianças a ir à escola e reduzir o trabalho infantil.

"Ensino gratuito para todos"

Em 15 anos, "o mundo alcançou importantes progressos", considera a diretora-geral da Unesco,  Irina Bokova."Há mais uns milhões de crianças que estão escolarizadas em comparação com as estimativas que eram feitas em 1995". O número de crianças e adolescentes não escolarizados diminuiu 84 milhões, entre os quais, 52 milhões de raparigas.

Diferentes políticas permitiram este progresso: a abolição de pagamento de inscrição - Etiópia, Gana, Quénia, Malawi, Tanzânia, Burundi e Uganda -, campanhas para a educação das raparigas - Tajiquistão -, construção de escola - Moçambique -, refeições nas escolas - em 32 países da África subsariana. 

"Mas a tarefa está longe de estar concluída. Faltam-nos estratégias específicas, bem financiadas, que dêm prioridade aos mais pobres - e em particular às raparigas - que melhorem a qualidade do ensino (...) de modo a que a educação se torne verdadeiramente universal", alerta  Irina Bokova.

Em 2015, há 57 milhões de crianças e 63 milhões de adolescentes que não vão à escola.

  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.