sicnot

Perfil

Mundo

Cesarianas só devem ser realizadas por razões médicas

As cesarianas só devem ser realizadas por razões médicas, recomendou esta sexta-feira a Organização Mundial de Saúde (OMS), lamentando "a epidemia de cesarianas" verificada atualmente a nível mundial, destacando o caso do Brasil.

De acordo com as novas indicações da agência das Nações Unidas, "as cesarianas só devem ser praticadas quando forem medicamente necessárias". (Arquivo)

De acordo com as novas indicações da agência das Nações Unidas, "as cesarianas só devem ser praticadas quando forem medicamente necessárias". (Arquivo)

© Stringer China / Reuters

"Em muitos países em desenvolvimento e desenvolvidos existe verdadeiramente uma epidemia de cesarianas, mesmo quando não são medicamente necessárias", referiu Marleen Temmerman, diretora do Departamento de Saúde e Investigação Reprodutiva da OMS.

Em muitos países, esta "epidemia" é verificada, sobretudo, pela vontade dos médicos de simplificar a vida, uma vez que as cesarianas podem ser planeadas, segundo afirmou a especialista, por ocasião da publicação de novas recomendações da OMS sobre esta matéria. 

De acordo com as novas indicações da agência das Nações Unidas, "as cesarianas só devem ser praticadas quando forem medicamente necessárias". 

É a primeira vez que a OMS recomenda, de forma clara, que a prática das cesarianas deve ser limitada a razões médicas, segundo outro especialista da OMS, Metin Gulmezoglu.

Até à data, a OMS afirmava que a "taxa ideal de cesarianas" estaria situada entre 10 e os 15%. Este parâmetro foi estabelecido em 1985, mas, nos últimos anos, a prática de cesarianas cresceu significativamente em quase todo o mundo.

A taxa de cesarianas por gestantes atingiu os 23% na Europa, os 35,6% nas Américas e os 24,1% na região do Pacífico Ocidental, segundo os dados mais recentes da OMS, relativos a 2008.

Só o continente africano (3,8%) e o sudeste asiático (8,8%) ficaram de fora deste fenómeno. 

Em certos países verifica-se uma verdadeira "cultura da cesariana", sublinhou a agência das Nações Unidas, que dá como exemplo o Brasil. 

No Brasil, perto de metade dos nascimentos ocorrem através de cesarianas, tornando o país líder mundial neste campo, referiu Marleen Temmerman.

A OMS conduziu entretanto novos estudos para tentar determinar uma taxa ideal de cesarianas. 

Estes novos estudos revelaram que quando as taxas de cesarianas por população atingem os 10%, os casos de mortalidade materna ou neonatal registam uma diminuição. Mas, quando as taxas são superiores a 10%, não existem evidências de uma melhoria dos registos de mortalidade.
  • Voluntários portugueses rumam ao México com cães de salvamento
    1:59

    Mundo

    Nuno Vieira e Marco Saraiva são voluntários de Braga. Com os seus dois cães, "Koi" e "Yuki", formam uma equipa de resgate e partem esta noite para o México, para ajudar na busca e salvamento de vítimas do terramoto que abalou o país esta terça-feira. A equipa portuguesa faz parte de uma ONG espanhola.

  • Furacão Maria deixa rasto de destruição em Porto Rico
    1:16
  • Sabe onde fica a Nambia? Algures em África, segundo Trump

    Mundo

    "O sistema de saúde na Nambia é incrivelmente autossuficiente", declarou o Presidente dos Estados Unidos num discurso proferido num almoço com líderes africanos. No encontro, realizado esta quarta-feira à margem da 72.ª Assembleia-Geral da ONU, em Nova Iorque, Donald Trump repetiu o erro. Os utilizadores das redes sociais não perdoaram mais este "lapso" do chefe de Estado norte-americano.

  • DGS garante que não há perigo de dengue
    2:09
  • Episódio da Abelha Maia censurado por queixas de obscenidade

    Cultura

    A plataforma digital Netflix viu-se obrigada a retirar um episódio da Abelha Maia depois das queixas de pais norte-americanos por causa de um "desenho obsceno", em forma de pénis. Aparentemente, terá sido só removido para quem acede nos EUA dado que, ao que a SIC pôde constatar, a partir de Portugal o episódio 35 está disponível.

  • Yoko Ono obriga limonada "John Lemon" a mudar de nome

    Cultura

    A viúva do Beatle John Lennon ameaçou processar uma empresa de bebidas polaca por causa da limonada "John Lemon". Yoko Ono não terá gostado do trocadilho entre Lennon e Lemon (limão, em inglês) e quer ver toda e qualquer garrafa com este rótulo retirada do mercado.

  • Restaurante em prisão na Colômbia serve comida confecionada por detidas
    1:04