sicnot

Perfil

Mundo

Descoberta forma de cozinhar arroz que reduz calorias em 50%

Um inovador modo de cozedura do arroz foi descoberto no Sri Lanka, permitindo reduzir em 50% o número de calorias absorvido pelo corpo, com a descoberta a ser vista como uma resposta ao problema de obesidade. 

reuters

O modo de preparação assenta na adição de uma colher de sopa de óleo de coco na panela quando a água estiver a ferver, juntar o arroz, cozinhar durante 40 minutos em lume brando, e depois levar ao frigorífico durante 12 horas, voltando depois a aquecer e só então consumir.

"O que consegui com a minha investigação foi alterar a estrutura do arroz", explicou à Efe Sudhair A. James, um estudante de 22 anos da Faculdade de Ciências Químicas de Colombo, que apresentou recentemente a sua descoberta na Reunião Nacional da Sociedade Americana de Química, nos Estados Unidos.

Com a descoberta, James quer fazer frente à "crise global" que representa a obesidade.

A chave da descoberta, de acordo com o estudante cingalês, está no amido -- o principal componente do arroz --, e em concreto nos seus dois tipos: um resistente e outro não.

Enquanto o amido não resistente transforma os hidratos de carbono em glucose e outros açúcares simples, os quais são imediatamente absorvidos pelo sangue; o amido resistente não é digerido no intestino delgado, traduzindo-se por isso em menos calorias. 

"Acreditamos que poderíamos desenvolver um método universal para cozinhar todos os alimentos que contêm amido -- como o pão, por exemplo --, os quais poderiam ser nutritivos e, ao mesmo tempo, combater a obesidade", afirmou.

Segundo a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO), o arroz é o alimento básico em 17 países da Ásia e Pacífico, nove nações da América do Norte e Sul e oito países de África.


  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.