sicnot

Perfil

Mundo

Guerra na Síria já causou mais de 220 mil mortos

A guerra na Síria já matou mais de 220 mil pessoas desde o início da revolta contra o regime de Bashar Al-Assad, em março de 2011, anunciou o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH). 

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Stringer Shanghai / Reuters

Registámos 222.271 mortes desde o início dos confrontos, em março de 2011", disse o chefe do OSDH, Rami Abdel Rahman, à agência noticiosa AFP, acrescentando que o número de mortos entre os civis chega aos 67.293, incluindo 11.021 crianças.

De acordo com esta organização não-governamental, com uma extensa rede de informação no país, entre os combatentes contra o regime, há a registar 39.848 rebeldes sírios mortos e mais 34.872 'jihadistas' estrangeiros.

No que diz respeito às forças que apoiam o regime de Bashar Al-Assad, houve a registar 46.843 soldados mortos, 34,872 membros das milícias das Forças de Defesa Nacional, 683 membros dos xiitas do Hezbollah e ainda 2.844 de outros países.

O registo dos mortos não contabiliza cerca de 20 mil pessoas cujo paradeiro é desconhecido, acrescentou o Observatório, mostrando-se convicto, por isso, que o número real é certamente superior aos 220 mil anunciados.

O conflito sírio começou a 15 de março de 2011, já vai no seu quinto ano e apresenta um balanço humanitário dramático e um regime brutal, encorajado pela inércia da comunidade internacional, mais preocupada com os avanços do Estado Islâmico do que com a situação na Síria, comentou a AFP.



Lusa
  • PSD e CDS assinalam 36º aniversário da morte de Francisco Sá Carneiro
    1:38

    País

    O presidente do PSD deixou críticas ao Partido Comunista, este domingo, a propósito do aniversário da morte de Francisco Sá Carneiro. Pedro Passos Coelho lembrou os festejos dos comunistas na altura, numa resposta a quem questionou a abstenção dos sociais-democratas ao voto de pesar a Fidel Castro, que o PCP levou ao Parlamento. Este domingo, tanto o PSD como o CDS-PP prestaram homenagem a Sá Carneiro e Adelino Amaro da Costa.