sicnot

Perfil

Mundo

Papa apela a maior cooperação internacional na ajuda a imigrantes africanos

O papa Francisco expressou este sábado a sua gratidão pelo esforço que a Itália esta a realizar ao socorrer e acolher refugiados que atravessam o Mediterrano, e fez um apelo internacional para um envolvimento mais amplo nesta missão.

"Desejo expressar a minha gratidão pelo esforço que a Itália esta a realizar para acolher os numerosos imigrantes que arriscam a vida em busca de asilo", afirmou o pontífice durante uma audiência no Vaticano com o presidente da República italiana, Sergio Mattarella.

"Desejo expressar a minha gratidão pelo esforço que a Itália esta a realizar para acolher os numerosos imigrantes que arriscam a vida em busca de asilo", afirmou o pontífice durante uma audiência no Vaticano com o presidente da República italiana, Sergio Mattarella.

© POOL New / Reuters

"Desejo expressar a minha gratidão pelo esforço que a Itália esta a realizar para acolher os numerosos imigrantes que arriscam a vida em busca de asilo", afirmou o pontífice durante uma audiência no Vaticano com o presidente da República italiana, Sergio Mattarella.

O papa defende que as proporções do fenómeno requerem uma implicação mais ampla.

"Não devemos cansar-nos de solicitar um empenho mais extenso a nível internacional", disse.

Mais de 11 mil imigrantes desembarcaram em Itália nos últimos seis dias.

Mais de 300 imigrantes, entre os quais 45 mulheres e 23 crianças, partiram da costa líbia antes de serem resgatados do mar, pela polícia marítima italiana, tendo sido levados para Pozzallo, na Sicília. 

Aproveitando-se do caos vivido na Líbia e do bom tempo nos últimos dias, os imigrantes multiplicam-se na costa italiana.

Hoje, um grupo de 93 imigrantes, salvo pela polícia marítima italiana, chegou ao porto de Palermo, na ilha da Sicília. 
Lusa
  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01
  • Dissolução da União Soviética aconteceu há 25 anos

    Mundo

    Assinalaram-se esta quinta-feira 25 anos desde o fim do acordo que sustentava a União Soviética. A crise começou em 80, mas aprofundou-se nos anos 90 com a ascensão de movimentos nacionalistas em praticamente todas as repúblicas soviéticas.