sicnot

Perfil

Mundo

Emigrante português assassinado em Angola

Um emigrante português foi assassinado este sábado em Angola, durante um assalto a uma bomba de gasolina.

Durante o assalto, morreu também o segurança da bomba. A polícia angolana já conseguiu deter os suspeitos do assalto, o que acabou por provocar um ataque da população local à esquadra onde os alegados assaltantes estão detidos. (Arquivo)

Durante o assalto, morreu também o segurança da bomba. A polícia angolana já conseguiu deter os suspeitos do assalto, o que acabou por provocar um ataque da população local à esquadra onde os alegados assaltantes estão detidos. (Arquivo)

SAUL LOEB / AP

O ataque ocorreu durante a madrugada. A vítima tinha 50 anos e era natural de Santiago do Cacém. 

O homem tinha emigrado para a província do Bengo, em Angola, onde era gerente do posto de abastecimento. 

Durante o assalto, morreu também o segurança da bomba. A polícia angolana já conseguiu deter os suspeitos do assalto, o que acabou por provocar um ataque da população local à esquadra onde os alegados assaltantes estão detidos.
  • Um dos conflitos mais sangrentos e esquecidos do planeta pelo olhar de uma portuguesa
    3:20

    Mundo

    A guerra do Congo, que opõe milícias rebeldes ao regime de Kabila, já dura há 20 anos e fez seis milhões de mortos, quatro milhões de deslocados internos e um número crescente de refugiados. Um dos conflitos mais sangrentos e esquecidos do planeta tem levado milhares de civis a passar a fronteira para Angola. A médica portuguesa Ana Paula Cruz testemunhou o drama silencioso dos congoleses nos campos de refugiados da Lunda Norte.

  • "Este é o elefante na sala sobre a saúde!"
    1:43

    País

    Catarina Martins acusa o Governo de estar alinhado com a direita na promoção de negócios privados na área da saúde. O Bloco de Esquerda quer uma nova lei de bases aprovada até ao final da legislatura e arrancou ontem com um ciclo nacional de sessões públicas para defender o Serviço Nacional de Saúde.

  • Marido de idosa que morreu na Sertã teve de caminhar durante duas horas para pedir ajuda
    1:44

    País

    A Altice garantiu esta sexta-feira que tentou agendar, por duas vezes, a reposição da linha telefónica na casa da idosa da Sertã, que morreu na semana passada por não ter comunicações que permitissem um socorro rápido. A mulher sentiu-se mal e o marido teve de caminhar durante duas horas para conseguir chegar à casa do vizinho mais próximo e pedir ajuda.

  • "No meu bairro perguntam-me se a medalha é de ouro e dizem que ma vão roubar e vender"
    4:46
  • Como é que alguém (Rúben Semedo) com tanto pode perder tudo?
    3:05