sicnot

Perfil

Mundo

Brasil lidera ranking de ativistas ambientais assassinados no mundo

Em 2014 foram assassinados 116 ambientalistas em todo o mundo, um recorde histórico segundo a organização não-governamental Global Witness, com o Brasil a liderar o ranking mundial.

© Ricardo Moraes / Reuters

Segundo a organização, registaram-se duas mortes a cada semana e só a América Latina concentrou três quartos dos casos.

Com 29 homicídios em 2014, o Brasil lidera o ranking mundial dos assassínios e, segundo a ONG britânica, as mortes ocorreram em 17 países. Na lista, além do Brasil, seguem-se a Colômbia com 25 mortes, as Filipinas com 15, as Honduras com 12 e o Peru com 9.

As informações constam no relatório intitulado "How many more?" ("Quantos mais?", em português), hoje divulgado.

A América Latina é considerada a região mais perigosa para a atuação de ambientalistas pela ONG britânica. 

Em cada quatro mortes, três aconteceram no continente - 87 casos. As mortes registadas em 2014 são 20 por cento maiores em relação ao ano anterior. 

Honduras é considerado o país mais perigoso em termos per capita. Nos últimos cinco anos, o país da América Central reportou 101 homicídios de ativistas.

Segundo Alice Harrison, representante da Global Witness, os assassínios de ambientalistas não param de crescer e os números não são todos notificados. 

"Os dados devem ser ainda maiores. As mortes ocorrem, na sua maioria, em lugares remotos e em comunidades que não têm muitos canais de comunicação", disse à Lusa.

O objetivo do relatório, afirmou Harrison, é aumentar o conhecimento público, pois mortes como estas continuam a ocorrer com frequência.

"Há pouca informação a nível mundial sobre estes casos. Percebemos que a situação vai piorar ao longo do tempo, há muita pressão sobre terras e recursos naturais como nunca houve. As mudanças climáticas aumentam ainda mais as pressões sobre água e terra", considerou.

As principais causas de ameaças e violências a ativistas ambientais decorrem de projetos hidroelétricos, extração de gás, mineração, agropecuária e corte de madeira ilegal.

Há exatamente um ano, Carlos Eduardo Francisco, 41, foi encontrado morto em um matagal próximo ao assentamento Zumbi dos Palmares, no município de Campos dos Goytacazes, na região Norte do Rio de Janeiro. Este foi o primeiro assentamento de reforma agrária do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) no estado, em 1997, onde vivem 510 famílias.

Desde janeiro de 2013, quando foi assassinado o coordenador do MST na localidade, Cícero Guedes, outros quatro moradores locais já foram mortos em crimes ainda não esclarecidos.

Segundo as investigações, a um dos moradores, Carlos Francisco, foram arrancadas as unhas, olhos e cabelos. Uma das hipóteses levantadas pela polícia é que Francisco "saberia demais" sobre a morte do líder do MST, Cícero Guedes. 

Não foi descartada a hipótese de execução por pistoleiros que atuam no local após a desapropriação da Fazenda São José, que deu lugar ao assentamento agrário.

"Pretendemos ainda monitorizar casos de violência a longo prazo. Há uma grande necessidade de acompanharmos os casos de ativistas que estão vivos e sofrem ameaças. É muito trágico saber apenas dos nomes de vítimas que morreram após denunciarem as ameaças e as autoridades não fazerem nada", criticou Harrison.

A Global Witness também fez recomendações aos países que têm os maiores registos de mortes com o objetivo de alertar os responsáveis para a necessidade de leis duras para proteger as vidas em risco. 

Lusa

  • Agência Europeia do Medicamento fica em Amesterdão

    Mundo

    Amesterdão ganhou esta segunda-feira a corrida para sede da Agência Europeia do Medicamento (EMA), a votação decorreu na reunião do Conselho de Assuntos Gerais da União Europeia. A cidade do Porto conseguiu 10 pontos, a par de Atenas e foi eliminada logo na primeira volta.

    Em atualização

  • Nascentes do Douro e Tejo estão praticamente secas
    2:55
  • "Para ele, um 'não' não foi suficiente"
    3:39
  • "Diálogos" de Catarina Neves duplamente premiado no festival Muvi
    2:12
  • Isabel II e Filipe de Edimburgo celebram 70 anos de casamento
    0:44

    Mundo

    A rainha Isabel II de Inglaterra e Filipe de Edimburgo celebram hoje 70 anos de casamento. Em dia de comemoração, o Palácio de Buckingham divulgou novas fotografias do casal cuja união é a mais duradora dentro das casas reais. Isabel casou com 21 anos. Seis anos depois foi coroada rainha por ocasião da morte do pai. A rainha e o marido têm quatro filhos, entre eles o herdeiro ao trono, Carlos, oito netos e cinco bisnetos.

  • Um negócio familiar destruído pelas chamas
    8:36