sicnot

Perfil

Mundo

Brasil lidera ranking de ativistas ambientais assassinados no mundo

Em 2014 foram assassinados 116 ambientalistas em todo o mundo, um recorde histórico segundo a organização não-governamental Global Witness, com o Brasil a liderar o ranking mundial.

© Ricardo Moraes / Reuters

Segundo a organização, registaram-se duas mortes a cada semana e só a América Latina concentrou três quartos dos casos.

Com 29 homicídios em 2014, o Brasil lidera o ranking mundial dos assassínios e, segundo a ONG britânica, as mortes ocorreram em 17 países. Na lista, além do Brasil, seguem-se a Colômbia com 25 mortes, as Filipinas com 15, as Honduras com 12 e o Peru com 9.

As informações constam no relatório intitulado "How many more?" ("Quantos mais?", em português), hoje divulgado.

A América Latina é considerada a região mais perigosa para a atuação de ambientalistas pela ONG britânica. 

Em cada quatro mortes, três aconteceram no continente - 87 casos. As mortes registadas em 2014 são 20 por cento maiores em relação ao ano anterior. 

Honduras é considerado o país mais perigoso em termos per capita. Nos últimos cinco anos, o país da América Central reportou 101 homicídios de ativistas.

Segundo Alice Harrison, representante da Global Witness, os assassínios de ambientalistas não param de crescer e os números não são todos notificados. 

"Os dados devem ser ainda maiores. As mortes ocorrem, na sua maioria, em lugares remotos e em comunidades que não têm muitos canais de comunicação", disse à Lusa.

O objetivo do relatório, afirmou Harrison, é aumentar o conhecimento público, pois mortes como estas continuam a ocorrer com frequência.

"Há pouca informação a nível mundial sobre estes casos. Percebemos que a situação vai piorar ao longo do tempo, há muita pressão sobre terras e recursos naturais como nunca houve. As mudanças climáticas aumentam ainda mais as pressões sobre água e terra", considerou.

As principais causas de ameaças e violências a ativistas ambientais decorrem de projetos hidroelétricos, extração de gás, mineração, agropecuária e corte de madeira ilegal.

Há exatamente um ano, Carlos Eduardo Francisco, 41, foi encontrado morto em um matagal próximo ao assentamento Zumbi dos Palmares, no município de Campos dos Goytacazes, na região Norte do Rio de Janeiro. Este foi o primeiro assentamento de reforma agrária do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) no estado, em 1997, onde vivem 510 famílias.

Desde janeiro de 2013, quando foi assassinado o coordenador do MST na localidade, Cícero Guedes, outros quatro moradores locais já foram mortos em crimes ainda não esclarecidos.

Segundo as investigações, a um dos moradores, Carlos Francisco, foram arrancadas as unhas, olhos e cabelos. Uma das hipóteses levantadas pela polícia é que Francisco "saberia demais" sobre a morte do líder do MST, Cícero Guedes. 

Não foi descartada a hipótese de execução por pistoleiros que atuam no local após a desapropriação da Fazenda São José, que deu lugar ao assentamento agrário.

"Pretendemos ainda monitorizar casos de violência a longo prazo. Há uma grande necessidade de acompanharmos os casos de ativistas que estão vivos e sofrem ameaças. É muito trágico saber apenas dos nomes de vítimas que morreram após denunciarem as ameaças e as autoridades não fazerem nada", criticou Harrison.

A Global Witness também fez recomendações aos países que têm os maiores registos de mortes com o objetivo de alertar os responsáveis para a necessidade de leis duras para proteger as vidas em risco. 

Lusa

  • GNR só teve acesso às imagens das agressões em Alcochete 12 horas depois
    1:42

    Crise no Sporting

    A GNR não pôde visionar as imagens de videovigilância da Academia de Alcochete logo que chegou ao local. O sistema estava inoperacional, o que fez com que as imagens só fossem entregues quase 12 horas depois do ataque à equipa do Sporting. Entre as provas recolhidas, estão também impressões digitais e vestígios de sangue encontrados na zona do balneário.

  • Juiz considera que agressões em Alcochete foram "ato terrorista"
    1:59

    Crise no Sporting

    O juiz que decretou a prisão preventiva dos 23 detidos pelo ataque à Academia do Sporting considera que se tratou de um ato terrorista. Diz mesmo que os agressores tiveram um comportamento chocante e que perverte o espírito desportivo. Sete dos 23 detidos já foram condenados por outros crimes, mas não chegaram a pena de prisão.

  • Gonçalo Guedes: o menino franzino que jogava mais que os outros em Benavente
    8:47
  • A promessa que João Mário vai ter de cumprir se Portugal for campeão
    1:36
  • Aprovadas mudanças no acesso ao ensino superior

    País

    O Governo aprovou esta quinta-feira o decreto-lei que estabelece o currículo dos ensinos básico e secundário, bem como os princípios orientadores da avaliação, voltando a nota de Educação Física a contar para a média de acesso ao ensino superior. No caso dos alunos do ensino profissional, são eliminados requisitos considerados discriminatórios no acesso ao ensino superior.

  • Universidade de Coimbra não retira Honoris Causa a Lula
    3:30
  • Estudo acaba com teorias da conspiração sobre a morte de Hitler

    Mundo

    Existem algumas versões sobre o desaparecimento do ditador nazi, Adolf Hitler. Há quem diga que viajou para um país da América do Sul, outros acreditam que está escondido na Antártida e há até quem vá mais longe e acredita que estaria na Lua. Mas, teorias da conspiração à parte, a história oficial diz que Hitler suicidou-se num bunker, em Berlim, Alemanha.

    SIC