sicnot

Perfil

Mundo

Facebook desbloqueia foto de índia com seios à mostra

Depois do ministro brasileiro da Cultura, Juca Ferreira, ter anunciado processar judicialmente o Facebook por "ataque" á liberdade de expressão, a rede social decidiu "desbloquear" a foto de índios Botocudos, onde aparece uma mulher com o seios à mostra.

Fotografia censurada pelo Facebook

Fotografia censurada pelo Facebook

https://www.facebook.com/MinisterioDaCultura

Juca Ferreira considera o episódio uma vitória do povo indígena, do povo brasileiro e uma afirmação da dignidade do Governo.

Na página de Facebook do Ministério da Cultura brasileiro pode ler-se que "este facto não encerra o processo iniciado pelo Ministério da Cultura" porque é necessário "discutir ampla e democraticamente a regulação da internet e encontrar uma regulação multilateral que garanta, entre outros direitos, a neutralidade de rede, a liberdade de expressão, a livre circulação de ideias, a soberania das nações e a autodeterminação".

A fotografia censurada fazia parte da divulgação do lançamento do Portal Brasiliana Fotográfica, que reúne mais de duas fotos históricas dos séculos 19 e 20, do acervo de imagens da Fundação Biblioteca Nacional e do Instituto Moreira Salles. 


A imagem, feita em 1909 por Walter Gabe, no Estado do Espírito Santo, mostra um casal de indígenas, sendo a mulher com o dorso nu. O ministério informou ter entrado em contado com a rede social para solicitar o desbloqueio da fotografia.

Ontem, o Ministério da Cultura brasileiro explicavam em comunicado, que o Facebook, "ao aplicar termos de uso abusivos e sem transparência, tenta impor ao Brasil e às demais nações do mundo onde a empresa opera, os seus próprios padrões morais, agindo de forma ilegal e arbitrária".

Referia ainda que a censura à imagem fere a Constituição brasileira, o Marco Civil da Internet, o Estatuto do Índio e a Convenção da Unesco sobre Proteção e Promoção da Diversidade e das Expressões Culturais, além de "desrespeitar a cultura, a história e a dignidade do povo brasileiro". 

"Não podemos aceitar que uma empresa pretenda se colocar acima das leis, da cultura e da soberania de nosso país. O Facebook e outras empresas globais operam numa lógica muito próxima à dos tempos coloniais", afirmou o ministro Juca Ferreira, que defendeu a regulação das relações na internet.

A fotografia censurada pode ser vista no Portal Brasiliana Fotográfica, no endereço brasilianafotografica.bn.br/brasiliana/handle/bras/570 mas também na página de  Facebook do Ministério da Cultura brasileiro.
 




  • A easyJet não está a oferecer bilhetes no Facebook. Cuidado, é uma burla

    País

    Se esteve no Facebook nos últimos dias, provavelmente reparou na oferta de dois bilhetes para uma viagem da easyJet, a propósito do 22.º aniversário da companhia aérea britânica. Uma viagem para dois tinha tudo para correr bem, não fosse um esquema de burla, criado para obter os dados pessoais dos utilizadores que partilham a publicação na rede social.

  • Brasileiros procuram Portugal
    3:59

    País

    Viver em Portugal é hoje em dia um grande sonho da classe média brasileira. De acordo com o Ministério dos Negócios Estrangeiros, só em 2016, o número de vistos de residência aumentarem em mais de 30%. A língua, a segurança e a qualidade de vida são as razões apontadas para a mudança. Todos os dias, no consulado português no Rio de Janeiro, para a obtenção de vistos.

  • Big Ben em silêncio durante quatro anos
    2:15

    Mundo

    Esta segunda-feira ficou marcada pelas últimas badaladas dos famosos sinos do Big Ben, em Londres, no Reino Unido. A torre, na qual está instalada o relógio mais famoso do mundo, vai entrar em obras e os sinos só vão voltar a tocar em 2021.

  • Garrafa lançada ao mar em Rhodes recebe resposta de Gaza
    1:43

    Mundo

    A história parece de filme, mas aconteceu numa praia de Gaza. Um casal britânico lançou uma garrafa com uma mensagem ao mar, em julho, na ilha grega de Rhodes. A garrafa foi encontrada por um pescador numa praia de Gaza, que aproveitou para enviar a resposta, na qual falou sobre as restrições impostas por Israel.